O artigo compõe um dossiê sobre industrialização fluminense e busca apresentar um panorama do setor têxtil de algodão no estado do Rio de Janeiro a partir da Segunda Guerra Mundial, período considerado “áureo” para as fábricas de tecidos no país. O texto propõe uma análise de algumas unidades fabris e suas vilas operárias, a partir do conceito proposto pelo antropólogo José Sérgio Leite Lopes, interpretando padrões e peculiaridades entre as fábricas estudadas.

Artigo Apontamentos sobre a Indústria Têxtil Fluminense no Contexto Pós Segunda Guerra Mundial: Padrões e Peculiaridades de Fábricas com Vila Operária, na Revista Espaço e Economia. Acessar: https://journals.openedition.org/espacoeconomia/3269?fbclid=IwAR2JJZZpNu32DOWI3v3-Egfya_375Ts0hXkRTohy-rheCzQ-FR1DNPRasWU

Ilustração: Vila Operária da Fábrica Andorinhas no início da década de 1940 (Acervo Felipe Ribeiro)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.