Em entrevista, a historiadora aponta como tarefa a reflexão sobre as novas formas de exploração e para a necessidade de reconstrução tanto de uma legislação, quanto da resistência nos mundos do trabalho.
Julia Chequer entrevista andréa casa nova maia

O novo livro da historiadora Andréa Casa Nova Maia apresenta Waldir dos Santos, trabalhador desde os 16 anos da mina de Morro Velho, no município de Nova Lima, em Minas Gerais. Por meio da narrativa deste personagem, o livro atravessa as décadas de 1930 e 1940 levantando questões ligadas tanto às formas de exploração e disciplinarização do trabalho, quanto à conquista das Leis Trabalhistas, passando pelas resistências cotidianas, pelas formas de sociabilidade, pela cultura e pelas festas populares. Nesse contexto, Waldir dos Santos era também ávido boêmio, compositor de sambas sobre o cotidiano operário, muitas vezes acompanhados, nos bares, por instrumentos como caixas de fósforos, copos e talheres.

A autora conta que seu contato com essas histórias e com os sambas sobre Nova Lima do passado é antigo, pois o filho do senhor Waldir se casou com a sua mãe, Vera Casa Nova. O estudo foi iniciado na graduação, quando realizou por volta dez horas de entrevistas com ele para um projeto de história oral, aprofundado durante o Mestrado. A obra será lançada no dia 30 de setembro, com show de Dorina Barros, no Rio de Janeiro.

Waldir dos Santos em bar de Belo Horizonte, nos anos 1990 (Arquivo Pessoal).

Na sua opinião, como os estudos sobre os espaços de sociabilidade, as formas de lazer e o cotidiano contribuem para a produção acadêmica da história dos mundos do trabalho? 

O mundo do trabalho não pode ser compreendido sem ser relacionado com outras esferas da vida cotidiana dos trabalhadores. Afinal, as pessoas vivem a vida e, fatalmente, começam a trabalhar em um determinado momento. Mas, nos espaços de lazer, no morar, no comer, no beber, no rezar, no dançar, no caminhar, etc, podemos ver as pequenas resistências, as brechas que surgem às tentativas de controle e disciplinarização dos corpos. Às vezes, a empresa tenta regular os horários dentro da vila operária e até mesmo delimitar as festas, a escola onde os filhos dos funcionários podem estudar, as práticas esportivas, o transporte… Mas, felizmente, os sujeitos conseguem ir além desses espaços e criam outros a partir de suas experiências. Assim, é sempre enriquecedor pensar o mundo do trabalho junto com as relações do trabalhador na cidade, na rua, no comércio, na igreja, no clube, e também na casa, na família, já que a complexidade de uma vida não pode ser simplificada em um chão de fábrica.

Hoje, a própria ideia de trabalho está em mutação. Os operários da mina nos anos 1930 não podem ser pensados da mesma maneira que trabalhadores de empresas de telemarketing, de fábricas do pós-fordismo ou de motoristas de aplicativos de transporte. As novas tecnologias e o neoliberalismo modificaram as formas do viver dos trabalhadores, a cada dia com menos direitos, ou sem direito algum. Como um sujeito submetido ao trabalho análogo ao escravo, em uma fazenda no Mato Grosso, pode ter algum momento de lazer? São questões fundamentais para os historiadores dos mundos do trabalho.

De que maneira o relato de Waldir colabora com as reflexões acerca das noções de populismo, trabalhismo, autonomia e heteronomia na história dos trabalhadores?

A história de vida do senhor Waldir ajuda a demolir uma visão simplista do populismo, como manipulação das massas. E mostra a construção do conceito antes da forma pejorativa que ganhou no Brasil na imprensa antitrabalhista, ao estilo de Carlos Lacerda. Waldir se posiciona como populista ao traduzir o populismo como movimento popular. Ser populista para ele era ser um apoiador do povo, das camadas populares. O ethos trabalhista aparece em vários momentos de sua fala, e Vargas como um presidente que ajudou o povo brasileiro a sair da escravidão, ao promulgar as Leis Trabalhistas. 

Mas é interessante notar como ele percebe em sua narrativa que sem a luta dos trabalhadores dificilmente as leis sairiam do papel. Era preciso que o sindicato agisse com base na “lei de Getúlio” e lutasse. Era difícil, pois “o ouro comprava tudo”, dos vereadores da cidade aos mais altos cargos do legislativo, judiciário e executivo. Assim, se sujeitando ao controle da empresa, dos ingleses, e se rebelando, em outros momentos, o operário viveu sua vida.

O seu livro percorre o período de implementação das leis trabalhistas e é publicado justamente no ano em que o Ministério do Trabalho é extinto. Quais reflexões seu estudo pode trazer sobre as questões trabalhistas atuais?

Eu resolvi publicar o livro esse ano justamente por causa dessas questões. Primeiro veio a Reforma Trabalhista, que praticamente dilacerou a CLT, depois, o fim do Ministério do Trabalho, e há também as questões trabalhistas próprias da mineração, pois nós tivemos dois eventos terríveis, Mariana e Brumadinho, com uma série de mortes. O que restou de auxílio a essas famílias? Quando existia uma legislação, esses mineiros já eram vítimas, porque “o ouro comprava tudo” e nem mesmo a lei de insalubridade era seguida na mina de Morro Velho, naqueles anos. Então, a lição que fica desse livro para a atualidade é que só a lei também não adiantava. Era preciso que os trabalhadores lutassem por seus direitos para que a lei saísse do papel.

 Hoje, vivemos um retrocesso e vai ser preciso reconstruir muita coisa. Eu li recentemente um artigo do Archille Mbembe falando que vivemos o fim da era do humanismo, então, é bom pensar que há uma verdadeira guerra discursiva entre um Estado Democrático de Direito e um capitalismo depredador do ser humano sem precedentes, com o neoliberalismo. Assim, precisamos refletir sobre essas novas formas de exploração do trabalho e vai ser preciso responder com resistência. Resta saber qual tipo de resistência. 

TítuloWaldir dos Santos, o sambista operário: história de uma mina de ouro no tempo de Vargas
AutoraAndréa Casa Nova Maia
EditoraGramma
Ano2019
Páginas  302
 Clique para acessar a loja virtual da editora

SOBRE A AUTORA

Andréa Casa Nova Maia é professora associada de História do Brasil Republicano do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e professora de História da Arte e História da Paisagem Urbana no Programa de Pós-Graduação em História Social (PPGHIS/UFRJ). É doutora em História Social da Cultura pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e mestre em História das relações de poder e dominação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde também se licenciou. É também pesquisadora da FAPERJ e líder do Grupo de Pesquisa do CNPq Laboratório IMAM (Imagem, Memória, Arte e Metrópole). Ultimamente, pesquisa a história do skate nas metrópoles do sudeste brasileiro.


Serviço

Lançamento do livro “Waldir dos Santos, o sambista operário: história de uma mina de ouro no tempo de Vargas”.

Quando: 30 de setembro, a partir das 18 horas.

Onde: Casa do Porto (Largo São Francisco da Prainha, 4, Saúde – Rio de Janeiro).


Bibliografia e outras publicações
  • MBEMBE, Archille. A era do humanismo está terminando. In: Revista IHU. São Leopoldo: Unisinos, 2017. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/564255-achille-mbembe-a-era-do-humanismo-esta-terminando.
  • MAIA, A. C. N; CARDOSO, L. C.; SANTOS, V. S. M. Lições do tempo: temas em história e historiografia do Brasil Republicano. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.
  • MAIA, A. C. N. O mundo do trabalho nas páginas das revistas ilustradas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.
  • MAIA, A. C. N. Encontros e Despedidas: história de ferrovia e ferroviários de Minas. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.