Contribuição especial de Renata Figueiredo Moraes¹

O 13 de maio de 1888 foi um dia de celebração nos mundos do trabalho da capital do Império. Até então, na cidade com o maior número de escravos nas Américas, trabalhadores livres e escravizados compartilhavam experiências de trabalho e de vida cotidiana em oficinas, no comércio e nas ruas do Rio de Janeiro. Nos dias seguintes ao fim da escravidão, milhares de trabalhadores e trabalhadoras, brancos e negros, participaram ativamente dos festejos, missa, cortejos e bailes que marcaram a abolição. Aspecto ainda pouco estudado, o abolicionismo mobilizou diversas categorias de trabalhadores cariocas que se engajaram em diversas formas de lutas e mobilizações pelo fim da escravidão.

Foi o caso dos tipógrafos. Ao cultivarem uma autoimagem de “homens do progresso”, viam a escravidão com horror e, desde há muito, desenvolviam ações pela liberdade. Em 1858, por exemplo, os editores do Jornal dos Typógraphos se mobilizaram contra os leilões de escravizados ocorridos em praça pública, e propuseram criar uma associação para arrecadar fundos para libertar os escravos. Na década de 1880, um grupo de tipógrafos fundou o Clube Abolicionista Gutemberg – destinado a comprar alforrias e promover a instrução noturna e gratuita para os libertos.

Os tipógrafos viram na abolição uma vitória e se orgulhavam de serem os trabalhadores responsáveis pela impressão da Lei Áurea. Cerca de 800 tipógrafos da cidade integraram o cortejo comemorativo da abolição, organizado pela imprensa fluminense. Na edição única do jornal comemorativo Treze de maio, vários tipógrafos publicaram poesias em que exaltavam as lutas pela abolição. O Centro Tipográfico Treze de Maio, fundado em junho de 1888, inspirava-se na abolição em suas lutas por novas conquistas sociais para a categoria.

Nos anos que precederam o fim da escravidão, diversas categorias de trabalhadores na Corte envolveram-se nas lutas abolicionistas. Vários trabalhadores associavam a luta pela abolição e seus festejos às suas próprias demandas por direitos nos mundos do trabalho. Muitos queriam aderir às festas, como os funcionários da Caixa Econômica, das fábricas de chapéus,  os militares da armada e os operários das fábricas de cal, entre outros.

Os caixeiros, como eram conhecidos os trabalhadores do comércio, são outro bom exemplo. Em geral morando em seus locais de trabalho, a relação entre eles e seus patrões era de dependência, com longas jornadas de serviço. O ambiente festivo da abolição alimentou a reivindicação por mais direitos ao lazer e pela folga aos domingos, principalmente após ter sido esse o dia da assinatura da lei. Os caixeiros não tiveram atendida sua reivindicação de fechamento do comércio a partir das 14h para participarem das festas de maio de 1888, só podendo ir às festas noturnas. Naquele momento, a batalha para participar dos festejos era apenas uma entre tantas que os caixeiros a partir de então teriam que travar.

Os festejos noturnos foram o grande espaço de celebração da liberdade recém adquirida para a maioria dos ex-escravizados. Além de muitos não terem sido liberados do trabalho por seus patrões para participarem das comemorações oficiais durante o dia, outros que, mesmo finda a escravidão, continuaram com suas atividades cotidianas, seja no comércio, no ganho nas ruas ou em oficinas artesanais. À noite, no entanto, as ruas do centro da cidade foram ocupadas majoritariamente por homens e mulheres libertos que deram seus próprios sentidos para as festas e para liberdade pela qual tanto lutaram. A festa dos antigos escravos, no entanto, não foi bem vista por muitos. Vários jornais cariocas reclamaram das aglomerações em círculo com “música de requebros” em plena Rua do Ouvidor.

Os funcionários públicos, entretanto, foram liberados para festejar durante o dia. Os servidores do Ministério da Agricultura, em particular, animaram-se para celebrar o fim da escravidão. O titular da pasta, Rodrigo Silva, era o responsável pelo projeto de lei da abolição na Câmara e foi homenageado por seus subordinados. No evento,  Machado de Assis, funcionário do Ministério e chefe da seção responsável pela fiscalização da chamada “Lei do Ventre Livre” de 1871,  discursou destacando as ações do ministro em prol da liberdade. Rodrigo Silva agradeceu e lembrou que o mérito cabia igualmente aos funcionários que haviam atuado na defesa dos direitos dos escravos. Também presente, Artur Azevedo declamou uma poesia em que pedia folga para que os funcionários públicos pudessem participar da festa pela aprovação da lei da abolição, reivindicação que foi atendida prontamente.

A liberdade do 13 de maio, consubstanciada em uma lei, era fundamentalmente fruto de décadas de lutas que envolveram trabalhadores escravizados, libertos e livres. E foi imensamente festejada por eles. Longe de ser uma dádiva, como faziam crer alguns editores dos jornais da Corte, o fim da escravidão em maio de 1888 foi uma conquista de lutas iniciadas muitos anos antes no parlamento, na justiça, nas ruas e nos locais de trabalho. Durante as festas, o ex-tipógrafo negro Machado de Assis também escreveu uma poesia especial para celebrar a Abolição. Em seu verso final, clamava: “União Brasileiros, e entoemos o Hino do Trabalho!”. Machado sabia que, apesar do Treze de Maio, a liberdade precisaria ser reconquistada a cada dia por todos os trabalhadores.

A festa dos libertos – Revista Ilustrada, nº 499, Ano 13, 2 de junho de 1888.

¹ Professora do Departamento de História da UERJ e pesquisadora do LEHMT.

REFERENCIAS:
LARA, Sílvia Hunold. “Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil”. In: Projeto História: PUC-SP, nº 16, Fevereiro/98.
MENDONÇA, Joseli Nunes. Cenas da Abolição. Escravos e senhores no parlamento e na justiça. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.
MORAES, Renata Figueiredo. “A festa da abolição do 13 de maio – comemorações, identidade e memória”. In: ABREU, M; XAVIER, G; MONTEIRO, L; BRASIL, E. (orgs). Cultura negra. Festas, carnavais e patrimônios negros. Novos Desafios para os historiadores. Vol. 1. Niterói: Eduff, 2018.
POPINIGIS, Fabiane. Proletários de casaca. Trabalhadores do comércio carioca (1850-1911). Campinas: Editora da Unicamp, 2007.
VITORINO, Artur José Renda. Processo de trabalho, sindicalismo e mudança técnica: o caso dos trabalhadores gráficos em São Paulo e no Rio de Janeiro, 1858-1912. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp, 1995.

Crédito da imagem de capa: Largo do Paço, multidão saudando a assinatura da lei da abolição. LAGO, Pedro e Bia Correa. Coleção Princesa Isabel. Fotografia do século XIX.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.