Felipe Azevedo e Souza
Pesquisador CAPES/PNPD no PPGH da Universidade Federal da BAhia

Por muito tempo os caminhos do Recife foram essencialmente os cursos dos rios que lhe cortam, principalmente o Capibaribe. Tudo se transportava em canoas: açúcar, tijolos, água potável e as pessoas que ali viviam. Até metade do século XIX, esse era um mercado de trabalho dominado pelos escravos canoeiros, posteriormente integrado também por libertos e livres, geralmente negros. Documentos registram a queixa de senhores que acusavam esses trabalhadores de colaborar para a fuga de escravizados. Mas, foi só entre 1884 e 1888, que esse expediente se tornou sistêmico. Nesse período, cerca de três mil homens e mulheres escaparam do cativeiro com a ajuda dos trabalhadores fluviais.

Em 25 de março de 1884 foi abolida a escravidão no Ceará. Cerca de 600 quilômetros ao sul, em Pernambuco, esse marco representou oportunidade para os abolicionistas. Eles fundaram no Recife o Clube do Cupim. Miravam-se no exemplo dos abolicionistas norte-americanos que criaram uma complexa rota de fugas clandestinas para franquear a passagem dos escravizados para terras onde não existia mais a escravidão legal. O Rio Capibaribe transformado em underground railroad, levava canoas e jangadas ao mar. Pelas águas salgadas tinham por destino frequente Fortaleza, Aracati e Mossoró, perto da fronteira com o Ceará.

O Clube do Cupim era uma associação secreta, ilegal, subterrânea. Não possuía estatutos, tinha um mote apenas: “a libertação do escravo por todos os meios”. Os cupins eram volantes, tinham pseudônimos, uma linguagem codificada própria, possuíam perfil social diverso e estavam infiltrados em várias repartições públicas. A silenciosa rede de espionagem e comunicação do Clube estava sempre dois passos à frente dos agentes de repressão. O telegrafista Júlio Falcão, por exemplo, era um cupim na linha do telégrafo, repassando informações trocadas entre os agentes das forças públicas. Como ele, outros estavam infiltrados nos quartéis antecipando os planos de batidas policiais. Nas muitas ações do grupo, poucos foram os casos de interceptação da polícia. Quando a força pública conseguia capturar os fugidos, membros do Cupim bem relacionados impetravam habeas corpus e geralmente conseguiam libertar os presos.

O Clube chegou a ter uma rede que envolvia cerca de trezentas pessoas entre membros e colaboradores eventuais. Sua diretoria era formada predominantemente por homens brancos e com influência social. Abrigavam os escravizados em suas propriedades, bancavam operações, mobilizavam conexões e eventualmente eles próprios se envolviam nos embarques dos fugidos. Cada membro desse círculo filiava seus auxiliares, chamados de capitães.

Esses homens, geralmente negros e alguns deles libertos, eram canoeiros, cocheiros, catraieiros, trabalhadores pobres da cidade. Eles eram propriamente os executores dos planos de fuga, os agentes de conexão entre o Clube e os trabalhadores escravizados.

As primeiras operações não envolveram mais que meia dúzia de escravizados. Mas, tempos depois, passaram a esvaziar senzalas inteiras. O capitão Lino Falcão visitava engenhos na Zona da Mata sob o disfarce de vendedor de fumo, pernoitava nas propriedades e, quando a casa-grande dormia, coordenava fugas coletivas. A polícia montava postos secretos de observação em vários pontos do Capibaribe, mas era inútil. Às centenas, homens, mulheres e crianças deixavam para trás o cativeiro. Camuflados embaixo de cobertas de capim, nas jangadas e canoas, pela rota fluvial placidamente passavam na frente da chefatura de polícia. Assim sucedeu, em 23 de abril de 1888 com o último embarque, quando 119 pessoas seguiram pelo rio, do Poço da Panela até os arrecifes, de onde tomaram um iate fretado pelo Clube.

Os membros do Cupim eram chamados de aliciadores ou ladrões de escravos, mas os trabalhadores escravizados estavam longe de ser passivamente seduzidos. Eles eram agentes de sua própria ventura. O embarque nas jangadas era início de jornada e ao mesmo tempo desfecho. Antes de chegar ao Capibaribe, o deslocamento a passos mudos nas ruas da cidade. Antes ainda, dias acoitados nas chamadas “panelas”. Antes disso, o planejamento, a negociação sussurrada entre os cativos e os cupins, a conspiração noturna das senzalas. Existem registros de que os escravizados custeavam parcialmente as despesas das fugas e há todo um anedotário sobre os diferentes expedientes utilizados pelos escravizados para desaparecer. Alguns sumiram na agitação dos dias de carnaval, uma outra embebedou seu senhor. Os disfarces também eram comuns – Miquelina, mucama de um casarão na Madalena, saiu de sinhá, com vestido à francesa, chapéu, sapatos lustrados e pó de arroz, caminhando à luz do dia pelas ruas de Recife até o porto.

A jangada tornou-se símbolo de resistência e liberdade. O Jornal do Recife de 13 de maio de 1890 publicava que nas celebrações daquele dia, “marcharão os cidadãos emancipados pela áurea lei, guarnecendo a legendária jangada do Clube do Cupim”. Na mesma data nos anos seguintes, a miniatura da jangada em madeira continuou a ser desfilada pelas ruas da cidade.

Atualmente, pertinho do curso do rio, existem duas estátuas de bronze, uma no bairro de Santo Antônio e outra no Poço da Panela, celebram famosos abolicionistas nascidos em casas-grandes. Mas, nas margens do Capibaribe, também resistem inabaláveis baobás centenários, são monumentos da diáspora africana. Árvores sagradas que representam a morada da ancestralidade e simbolizam o Rio Capibaribe como um lugar de memória dos trabalhadores e trabalhadoras escravizados e suas lutas por liberdade.

Os capitães do Cupim posam com a miniatura da jangada que era usada nas celebrações da Abolição.
Jornal Pequeno, 12 de maio de 1914 (a foto foi tirada anos antes).

PAra saber mais
  • BRAGA, Flavia. “Roendo a madeira da escravidão: O Club do Cupim como espaço de luta política (Pernambuco, 1884-1888)”. Anais da Caravana 25 anos da ANPUH Pernambuco: dálogos entre a pesquisa e o ensino. Recife: Editora UFPE, 2016.
  • CASTILHO, Celso Thomas. Slave Emancipation and Transformations in Brazilian Political Citizenship. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 2016.
  • VILELA, Carneiro. “O Club do Cupim”. In: SILVA, Leonardo Dantas (Org.). A abolição em Pernambuco. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1988.
  • SANTOS, Maria Emília Vasconcelos dos. “Antes do 13 de maio: O 25 de março no Ceará e o Movimento Abolicionista em Pernambuco”. Revista Afro-Ásia n. 53, 2016.

Crédito da imagem de capa: Rio Capibaribe na década de 1860.Crédito: Villela, João Ferreira, circa 1865. Acervo Instituto Moreira Sales.


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.