Leonardo Ângelo
Doutor em História pela UFRRJ e Pesquisador do LEHMT-UFRJ
Thompson Clímaco
Graduando em História na UFRJ e Pesquisador do LEHMT-UFRJ

O Clube Palmares, fundado em 1965, em Volta Redonda, tem sido uma organização fundamental da classe trabalhadora negra na cidade sede da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Entre as décadas de 1940 e 70, os clubes associativos tornaram-se uma referência de lazer e status social na cidade e disseminaram-se com a fundação do Clube dos Funcionários, Aero clube, Umuarama, Náutico e Comercial, entre outros. O Palmares, no entanto, foi além de um local de diversão e se transformou em um espaço político, educacional e difusor da cultura afro-brasileira em Volta Redonda. Além de bailes e rodas de samba, o clube promovia debates sobre relações raciais, concursos de beleza negra e a prática da capoeira, chegando a estabelecer contatos e intercâmbios com outros clubes majoritariamente negros, como o Renascença, na cidade do Rio de Janeiro.  

A CSN alterou profundamente o perfil de Volta Redonda. Maior empreendimento industrial da era Vargas, a fábrica recrutou milhares de migrantes, em particular de Minas Gerais e do interior do estado do Rio. Volta Redonda saltou de 3 mil habitantes em 1941, início da construção da Siderúrgica Nacional, para mais de 50 mil habitantes na década de 1950. Entre 1941 e 1946, nos primeiros anos de funcionamento da empresa, aproximadamente 70% dos funcionários eram negros, ocupando, em geral, postos de trabalho considerados pouco qualificados. Embora não haja dados disponíveis para os períodos posteriores, todos os indícios apontam que os negros continuaram a ser amplamente majoritários no chão da fábrica.

Empresa modelo do nacional-desenvolvimentismo, a CSN adotou um discurso paternalista em suas relações de trabalho. A empresa estatal seria uma “família siderúrgica” e Volta Redonda o símbolo da modernidade industrial do Brasil. Proprietária de grande parte do território da cidade, foi prática da direção da CSN a doação de terrenos para a construção de clubes associativos. Foram os casos, por exemplo, das glebas destinadas para o Aero Clube, frequentado por técnicos especializados da indústria e para a construção do clube de engenheiros Umuarama. Espaços de lazer voltados para as hierarquias superiores da empresa, esses clubes não incluíam os trabalhadores braçais, a grande maioria deles, negros. Muitas vezes, negros e negras chegaram a ser formalmente proibidos de adentrar aos clubes, através de diversos mecanismos de exclusão.

A restrição de acesso aos clubes, no entanto, não impedia o lazer da população negra de Volta Redonda que se reunia e se divertia em suas residências e a partir da segunda metade da década de 1940, em um galpão de madeira não utilizado pela CSN. Tempos depois, o galpão foi cedido para os funcionários do escritório da Siderúrgica formarem um clube recreativo. Após a fundação do Clube Náutico em 1948,  um gradativo processo de exclusão de negros e negras também ocorreu. Argumentos torpes, como participar de uma Escola de Samba ou tocar tamborim eram utilizados para excluir os/as afrodescendentes.  Dizer que o Náutico não era um “clube de gafieira” era outra afirmação racista comum.

A segregação ocorrida no Náutico foi o estopim para a constituição do Palmares. Sob a liderança da professora Maria da Glória, do operário da CSN, João Laureano, e do estudante-operário, Nazário Santos Dias, o clube foi pensado como um espaço de lazer, mas também de liberdade para a sociabilidade da população negra da “cidade do aço”. O número de associados cresceu rapidamente. Em menos de três meses já eram cem associados(as) e, dois anos depois, quase mil.

A escolha do nome do clube, realizada de forma unânime entre os fundadores foi um ato político de impacto. No entanto, ao longo dos anos, disputas e contradições dividiram as lideranças do clube. Uma ala acreditava que deveria ser seguido o modelo dos demais clubes associativos da cidade, com foco nas atividades recreativas e festivas. Já outra tendência defendia a construção de uma instituição cultural e política articulada com o movimento negro e engajada na luta contra o racismo. Este segundo grupo assumiu a direção na década de 1980, quando o clube ampliou sua ação política e se aproximou da juventude negra da cidade, realizando diversos projetos educacionais e culturais.

A localização do clube também expressava de maneira prática e simbólica as contradições vividas pelos trabalhadores negros de Volta Redonda.

Localizada no Jardim Europa, entre as ruas Roma e Paris, a sede do clube era motivo de controvérsia para muitos moradores do bairro, que alegavam que o Palmares não teria a propriedade regular do terreno. Em 1985, o muro do clube chegou a ser demolido pela prefeitura, a pedido de um grupo de moradores. Os dirigentes do Palmares, no entanto, conseguiram comprovar judicialmente a aquisição legal de sua sede e a prefeitura de Volta Redonda foi obrigada a reconstruir o muro no ano seguinte.  

Nos últimos anos, o Palmares tem passado por um processo de reestruturação e de valorização de sua importância política e social para a comunidade afrodescendente e para a sociedade de Volta Redonda. Em 2016 a instituição recebeu o prêmio de Cultura Afro Fluminense do governo do Estado do Rio de Janeiro. O Clube Palmares é um lugar de memória fundamental na construção da negritude entre os trabalhadores do Sul Fluminense. Como espaço de lazer, de debates sobre a cultura afro-brasileira e de articulação política de negros e negras, o clube tem sido um local decisivo na luta contra o racismo na cidade. Não lhe caberia um nome melhor.

Muro do Clube Palmares reconstruído. Crédito: Acervo do Clube Palmares.

PAra saber mais
  • DINIUS, Oliver. “Work in Brazil’s Steel City: A History of Industrial Relations in Volta Redonda, 1941–1968.”. 2004. PhD dissertetion in History, Harvard University.
  • MOREL, Regina Lúcia de Moraes.  Ferro e Fogo — Construção e Crise da Família Siderúrgica: O Caso de Volta Redonda (1941-1968). Tese de Doutoramento. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1989.
  • MUNANGA, Kabenguele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. — 3.ed.  — Belo Horizonte: Autêntica, 2008.   
  • SILVA, Leonardo Ângelo. Volta Redonda em Preto e Branco: Trabalho, desenvolvimentismo e Relações Raciais. 2019. Tese (Doutorado em História Social) — Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.   
  • Site do Clube do Palmares: https://www.clubepalmares.org.br/

Crédito da imagem de capa: Noite de samba no Clube Palmares em 1967. Crédito: Acervo do Clube Palmares.


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trababalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

Um comentário em “Lugares de Memória dos Trabalhadores #60: Clube Palmares, Volta Redonda (RJ) – Leonardo Ângelo e Thompson Clímaco

  1. Oi !!! Sou Maria Aparecida Pinto Silva, sou de São Paulo e fiquei muito feliz com a notícia do Clube Negro Palmares. Aqui em São Paulo muitos clubes foram criados com as mesmas características: exclusão de um lado e protagonismo do outro

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.