Rafael Ioris
Professor de História da University of denver

Sede de um dos sindicatos mais combativos da história do Brasil, o Palácio do Metalúrgico foi palco de lutas operárias que ajudaram a definir a história social e mesmo os rumos políticos do Brasil contemporâneo. Foi lá, na rua Ana Neri, bairro do Rocha, no Rio de Janeiro, onde não só metalúrgicos, mas trabalhadores em geral, além de personalidades políticas e culturais frequentemente se reuniram para entender as complexidades de um país em rápida transformação na segunda metade do século XX, assim como lutar por uma sociedade mais inclusiva e justa.

A construção do prédio, inaugurado em 1959, resultou de uma ampla campanha de recrutamento de novos associados e de arrecadação de fundos junto a base do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro, categoria em expansão naquele momento. A nova sede era também o resultado de um crescente ativismo dos metalúrgicos cariocas, fruto em grande medida de uma aliança entre trabalhistas, nacionalistas de esquerda e comunistas que passou a ser hegemônica na direção da entidade.

Assim, essa estabilidade administrativa permitiu que o sindicato oferecesse um maior leque de serviços e atividades sociais e culturais aos seus membros, inclusive e de maneira crescente às mulheres trabalhadoras. Liderados por dirigentes como Eurípedes Aires de Castro, Ulisses, Lopes, José Lellis da Costa, Izaltino Pereira e, especialmente, Benedito Cerqueira, o renovado ativismo sindical metalúrgico foi capaz de organizar mobilizações e lutar por demandas concretas dos trabalhadores, como aumentos salariais, melhores condições de trabalho e ampliação do acesso a tratamento médico. No contexto que antecedeu o golpe de 1964, os metalúrgicos cariocas se tornaram uma das categorias mais importantes e influentes na vida sindical do país, colaborando para a construção da agenda política que ficou conhecida como “Reformas de Base”.

A partir de meados dos anos 1950, a entidade ampliava suas taxas de sindicalização e seu fortalecimento político e financeiro. A conexão com as bases operárias através de conselhos de empresas e a criação de subsedes regionais colaboravam para o fomento de um novo senso de coesão e identidade operária. Nesse contexto emergiu a ideia da construção de uma nova sede, materializada em um imponente prédio de seis pisos, no bairro do Rocha, na Zona Norte do Rio, próximo a diversos bairros industriais e comunidades operárias da cidade.

As obras do prédio, que seria batizado com o orgulhoso e pomposo nome de Palácio do Metalúrgico, foram iniciadas em 1956. Após três anos, a sede, quando inaugurada, contava com ginásio, gráfica, consultórios médicos, biblioteca, lanchonete  e um auditório. O espaço logo se tornou um local fundamental de sociabilidade e organização dos metalúrgicos.

Mas seu impacto foi muito além da categoria, tornando o prédio um dos mais importantes centros da vida política carioca no início da década de 1960. Outros sindicatos, associações de moradores e organizações populares frequentemente usavam o moderno e amplo auditório para realizar sua assembleias e festividades. Foi também um dos principais espaços utilizados pelo Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE para realização de debates, peças teatrais e exibição de filmes. O Palácio chegou mesmo a ser tornar palco obrigatório de visitas de personalidades internacionais como o cosmonauta soviético Yuri Gagarin em 1961.

O Palácio do Metalúrgico foi o palco de um dos momentos mais dramáticos do início dos anos 1960. No dia 25 de março de 1964, liderados por Cabo Anselmo, mais de dois mil marinheiros reuniram-se no auditório da sede metalúrgica para comemorar o segundo aniversário de sua Associação, considerada ilegal pelo comando da Marinha. O ato contou com a participação de sindicalistas, líderes estudantis, do deputado Leonel Brizola, além da presença emblemática de João Cândido, líder da Revolta da Chibata de 1910. Apesar da ordem de prisão emitida pelo Ministro da Marinha, os marinheiros resistiram e permaneceram no prédio. Apenas após um acordo, que implicou na anistia dos revoltosos concedida pelo presidente Jango, que os marinheiros decidiram desocupar o Palácio. O episódio é considerado por muitos um dos estopins do golpe de 1964. No dia seguinte à deposição de Jango, o Palácio foi invadido e vandalizado de forma brutal, simbolizando de forma veemente o novo ciclo repressivo que se iniciava para os trabalhadores.

Esvaziado de sua vocação política durante boa parte da ditadura, o Palácio dos Metalúrgicos viveria um novo momento de mobilização quando, em 1979, uma nova onda grevista colocou os operários e operárias metalúrgicos no centro das lutas sociais no Rio de Janeiro. Ao longo dos anos 1980, os metalúrgicos cariocas manteriam uma presença ativa no cenário de organização dos trabalhadores que marcou a redemocratização do país. De toda forma, durante a maior parte desse período uma Escola Metalúrgica manteve-se atuante na sede sindical, formando milhares de trabalhadores.

A crise política e econômica do Rio de Janeiro nas últimas décadas afetou fortemente os metalúrgicos, que sofreram com a intensa desindustrialização da cidade e viram sua base e presença pública serem drasticamente reduzidas, apesar da resistência sindical e da importante, porém efêmera, recuperação da indústria naval no início do século XXI. O Palácio do Metalúrgico foi tombado em 1999 pelo governo estadual e apesar das ameaças recentes de que poderia ser vendido, permanece como um lugar de memória fundamental para os trabalhadores brasileiros.   

Metalúrgicos em assembleia na sede do sindicato decidem pela greve em 11/09/1979.
Foto de A. Philot Acervo da Fundação Perseu Abramo.


PAra saber mais
  • IORIS, Rafael. Qual Desenvolvimento? Os Debates, Sentidos e Lições da Era Desenvolvimentista. São Paulo: Paco Editorial, 2017.
  • IORIS, Rafael “’Fifty Year in Five’ and What’s in It for Us? Development Promotion, Populism, Industrials Workers and ‘Carestia’ in 1950s Brazil.” Journal of Latin American Studies, v. 44, no. 2, 2012.
  • JORDAN, Thomas. “Redefinindo o sindicalismo corporativo nos anos 1950: o caso do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro.” Cadernos AEL, v.11, n. 20, 2004
  • SANTANA, Marco  Aurélio. Bravos companheiros: comunistas e metalúrgicos no Rio de Janeiro (1945/1964). Rio de Janeiro:7Letras, 2012.
  • LOPES, Ulisses. 2015. Depoimento. Rio de Janeiro, CPDOC/Fundação Getulio Vargas, (8h 50min).

Crédito da imagem de capa: Hércules Corrêa, do Comando Geral dos Trabalhadores, discursa no Auditório do Palácio do Metalúrgico em março de 1964, durante as celebrações do segundo ano de fundação da Associação de Marinheiros e Fuzileiros Navais. À sua esquerda, o cabo Anselmo. Acervo: Iconographia.


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trabalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.