Entrevista com Nair Jane, liderança histórica das trabalhadoras domésticas do Rio de Janeiro, na Revista Mundos do Trabalho – Paulo Fontes, Louisa Acciari, Tatiane Oliveira e Yasmin Getirana

Acaba de ser lançado o número 20 da Revista Mundos do Trabalho que conta com o dossiê: “Trabalho doméstico: sujeitos, experiências e lutas”, organizado por Flavia Fernandes de Souza e Maciel Henrique Silva.

Nesta edição, Paulo Fontes e Yasmin Getirana, pesquisadores do LEHMT, em conjunto com Louisa Acciari e Tatiana de Oliveira Pinto, publicaram uma entrevista com Nair Jane de Castro Lima, liderança histórica das trabalhadoras domésticas do Rio de Janeiro.

Nascida no Maranhão, Nair Jane, uma mulher negra hoje com 87 anos, começou a trabalhar como doméstica ainda criança. Nos anos 1960 vinculou-se à Juventude Operária Católica (JOC) e tornou-se presidente da Associação Profissional das Empregadas Domésticas do Rio de Janeiro no início da década de 1970, participando de sua transformação em sindicato, do qual se tornaria a primeira presidenta em 1988, Participou ainda da formação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e foi uma das fundadoras da Confederação Latino-Americana e do Caribe das Trabalhadoras Domésticas em 1988 e do sindicato da categoria na Baixada Fluminense, onde atualmente ocupa o cargo de vice-diretora. Em 2003, recebeu o Prêmio Bertha Lutz, do Senado Federal, e em 2019 foi homenageada com o “Diploma Mulher-Cidadã Leolinda de Figueiredo Daltro”, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Essa entrevista e o número completo da revista podem ser acessados em https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho

LEHMT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Lugares de Memória dos Trabalhadores #07: Cobrasma, Osasco (SP) – Marta Rovai

qui set 26 , 2019
Marta Rovai Professora de História da Universidade Federal de AlfenaS Fiz uma poesia do que senti nesses vinte e três anos de Cobrasma. Todos os dias, às seis horas da manhã, o que sentia ao ouvir o seu apito. Da minha cama eu ouvia! As palavras do operário-poeta Inácio Gurgel, […]
%d blogueiros gostam disto: