Experiências de trabalhadoras da cana são tema de dissertação de mestrado

Defendido em agosto de 2019, estudo reflete sobre relações de gênero no trabalho rural assalariado.

A dissertação de mestrado “Memórias ocultas: experiência de mulheres canavieiras em Guariba (1975-1985)” coloca luz sobre as vivências de mulheres transitaram do trabalho rural de base familiar para o assalariamento temporário nas lavouras de cana, com a migração para Guariba, município do interior de São Paulo. O período estudado parte de 1975, ano em que foi instituído o Programa Nacional do Álcool, e vai até 1985, quando foi refundado o sindicato local, após a emblemática greve de 1984, que se espalhou por toda a região e resultou no Acordo de Guariba.

Assim, analisando principalmente fontes orais (histórias de vida), periódicos locais e processos trabalhistas, o trabalho examina os deslocamentos nas relações de gênero nos diversos espaços, que se traduzem tanto na ampliação da autonomia e das possibilidades de vivência, quanto em novas formas de sofrimento e precariedade, acompanhados também da persistência dos trabalhos doméstico e ligado aos cuidados como predominantemente femininos. Essas questões são permeadas por resistências, muitas vezes silenciosas, na lavoura, em casa, nos bairros e nas instituições, articuladas por uma rede de solidariedade e ajuda mútua entre as mulheres dos bairros periféricos de Guariba.

O trabalho também procura identificar o repertório de lutas dos trabalhadores do município, traçando paralelos entre as mobilizações do pré-1964 e as que eclodiram em meados da década de 1980. A dissertação, desenvolvida por Julia Chequer, membro do LEHMT, foi defendida no Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC/FGV), em agosto de 2019. O texto se encontra disponível no repositório do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais, da instituição.

Imagem da capa: Mulheres boias-frias em Barrinha, região de Ribeirão Preto. Foto: Nair Benedicto/F4/Reprodução Cadernos CEDI, 1985.

Para saber mais
  • CHEQUER, Julia. Memórias ocultas: experiência de mulheres canavieiras em Guariba (1975-1985). Dissertação de Mestrado. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC/FGV, Rio de Janeiro, 2019.
  • GIULANI, Paola Cappellin. Os movimentos de trabalhadoras e a sociedade brasileira. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007, p. 640-668.
  • SILVA, Maria A. Moraes. Errantes do fim do século. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1999.
  • STOLCKE, Verena. Cafeicultura: homens, mulheres e capital (1850-1980). São Paulo: Brasiliense, 1986.
  • WELCH, Clifford Andrew. A semente foi plantada: as raízes do movimento sindical camponês no Brasil, 1924-1964. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Lugares de Memória dos Trabalhadores #14: Igreja de São José do Ribamar, Recife (PE) – Marcelo Mac Cord

qui nov 14 , 2019
Marcelo Mac Cord Professor da Faculdade de Educação da UFF No Recife, em 1735, um grupo de artesãos fundou uma irmandade para fortalecer sua fé e sua autoproteção. Eles escolheram São José como patrono, pois, em sua maior parte, eram profissionais que lidavam com a madeira: carpinteiros, tanoeiros e calafates. […]
%d blogueiros gostam disto: