LMT#112: Solar do Unhão, Salvador, (BA) – Daniel Rebouças



Daniel Rebouças
Doutor em História pela Universidade Federal da Bahia



Às margens da Baía de Todos-os-Santos, descansa o Solar do Unhão. Um local de ocupação bastante antigo, do início do século XVII, é a sede do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) desde 1963. Para muitos turistas ou mesmo para moradores de Salvador, o lugar tem uma ligação “natural” com as artes. Além das exposições, faz anos que ocorre lá um prestigiado projeto de música instrumental. Porém, menos conhecida é história do solar com o universo do trabalho no Brasil do século XIX.

Por quase um século, a fábrica da Meuron e Cia funcionou no Unhão. O fundador foi Auguste Frédéric Meuron (1789-1852), membro de uma rica família da região de Neuchâtel, na Suíça. Seguindo no ramo do comércio exterior como seus parentes, o estrangeiro apostou em negócios na Bahia, chegando no dia 20 de agosto de 1817, em Salvador. Abriu uma manufatura na chamada “praia de Areia Preta”, atual bairro da Ondina, produzindo rapé – espécie de tabaco em pó muito apreciado na época. Concorrendo com o rapé Princesa de Lisboa, importado de Portugal, o suíço mudou de endereço diante da ameaça das tropas de Portugal, durante a Guerra de Independência na Bahia, em 1822. A fabriqueta em Ondina incomodava o nacionalismo dos súditos portugueses. 

Passadas as lutas políticas, o suíço mudou a fábrica para o Solar do Unhão em 1827. Alugou o prédio da poderosa família Pires de Carvalho e Albuquerque, que tinha feito, ao longo do século XVIII, uma grande mudança no local, dando elegância à antiga “Chácara do Unhão”, antiga posse do desembargador Pedro Unhão de Castello Branco. A influente família tinha erguido um prédio mais vistoso, uma capela, uma ponte com ricos azulejos portugueses, entre outros melhoramentos.

 A produção da fábrica cresceu em pouco tempo. Quando deixou a Bahia, em 1837, o dono da Meuron já era o principal produtor de rapé da província e, um dos maiores do Brasil, com filais em Pernambuco e no Rio de Janeiro. Até o final daquele século, o Rapé Areia Preta já era vendido país afora, sendo manufaturado, parte com fumo da Bahia, parte importado da Virgínia, nos Estados Unidos.


Utilizou a mão de obra livre e escrava simultaneamente, fato aliás comum em outras fábricas na Bahia, e fora dela. Não sabemos muitos detalhes sobre as atividades realizadas na fábrica e pouco sobre os recortes de gênero e a remuneração praticada. A direção fabril era geralmente ocupada por suíços ou alemães.


Melhor registradas estão as brigas dos gerentes da Meuron contra as falsificações do seu Areia Preta. Em meados de 1882, por exemplo, a concorrente em Salvador, a Companhia Imperial, tentou registrar seu rapé na Junta Comercial da Bahia. O nome: Areia Parda. Como a confusão seria evidente, o gerente da Meuron na época, o alemão Hermann Ochsenbein, conseguiu, junto ao Ministério da Agricultura, a anulação do registro da concorrente e a apreensão de muitos botes de rapé do adversário. Aos derrotados, restou ir aos jornais, reclamar de monopólio.   

Nada abalou o gerente da Meuron até se criticar a mão de obra no Unhão, tema sensível em meio à crise da escravidão no país. Acusava-se a firma suíça de prejudicar o progresso do Brasil pela falta de trabalhadores livres e ainda utilizar o braço escravo, sob terrível violência. Na sua resposta, Hermann Ochsenbein estava em sintonia com boa parte da elite nacional naquele contexto, afirmando que ao usar muitos trabalhadores nacionais contribuía para exterminar a ociosidade e o crime no país. Sobre os escravizados, o estrangeiro alegou ter somente cinco cativos na fábrica, todos sob a “aprendizagem da liberdade”. Três eram tratados “como livres há muito tempo”, recebendo salário, inclusive. Os outros dois só não recebiam um ordenado “unicamente por culpa deles”, ou seja, pelo suposto mau comportamento que vinham tendo. Tão logo dessem “sinal de regeneração”, concluía o gerente, seriam “elevados ao mesmo pé dos três referidos.” 

Todo o trecho já mostra a importância da Meuron para os mundos do trabalho no Brasil do século XIX. Mas Hermann Ochsenbein nos deixou ainda mais. Alguns anos depois, recorreu à fotografia para criar um discurso visual, tal como cafeicultores vinham fazendo em São Paulo, ao encomendar um álbum aos fotógrafos Guilherme Gaensly e Rodolfo Lindemann, artistas muito prestigiados à época. Em uma tomada do pátio, reiterava-se a versão da empresa: diferente da acusação, agia em prol do trabalho livre e da ordem social em um contexto de crise da escravidão. Na visão do plantel da Meuron, mostrava-se os operários – em número considerável comparando-se com outras fábricas na cidade – e os poucos escravizados. E não somente isso. Os cativos – e somente eles – apareciam trabalhando, em uma polissêmica representação da tal “aprendizagem da liberdade”. 

A fábrica no Solar do Unhão funcionou como Meuron até 1896, quando mudou o nome para Borel & Cia, produzindo mais charutos e cigarrilhas. Após fim das atividades, em 1926, o lugar virou a sede do Trapiche Santa Luzia, até por volta de 1943. Tombado pelo IPHAN, virou museu duas décadas depois, sob a direção da arquiteta Lino Bo Bardi. Poucos indícios restaram do passado fabril, como trilhos de ferro, mas fotografias, e outros documentos, vêm mostrando muito mais, como homens e mulheres trabalhando em uma linha de produção no subsolo do saguão principal do MAM. São memórias do trabalho no Brasil, que aos poucos, ganham nova luz. 

Vista do pátio da Meuron e Cia, na qual vemos um raro registro dos trabalhadores fabris em Salvador, em meados da década de 1880.
Crédito: Álbum Brésil – Coleção Flávia e Frank Abubakir / Instituto Flávia Abubakir. 


Para saber mais:

  • Álbum Brésil – Coleção Flávia e Frank Abubakir / Instituto Flávia Abubakir https://www.institutoflaviaabubakir.org/
  • BANDEIRA, Beatriz Brito at al. Jazz, rapé e pôr-do-sol: arqueologia das negras areias submersas do Solar do Unhão (Salvador, Bahia). Arqueologia Urbana em Centros Históricos. Algerve: UALg – Universidade do Algarve, 2019. p. 81-96.
  • MUAZE, Mariana de Aguiar F. Violência apaziguada: escravidão e cultivo do café nas fotografias de Marc Ferrez (1882-1886). Revista Brasileira de História. N. 37, Vol. 74, 2017.
  • RISÉRIO, Antônio. Um solar através dos séculos. A Casa do Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2019.
  • REBOUÇAS, Daniel. Indústria na Bahia: um olhar sobre sua história. Salvador: EPP Publicações e Publicidade, 2016.

Crédito da imagem de capa: Vista da fábrica da Meuron no Solar do Unhão, na década de 1870. Nessa época, era a principal produtora de rapé da Bahia. Crédito: GAENSLY Guilherme. Fábrica da Meuron & Cia. [1873-1881]. Fundação Biblioteca Nacional.


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trabalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

A seção Lugares de Memória dos Trabalhadores é coordenada por Paulo Fontes.

Paulo Fontes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Vozes Comunistas #08: Adelço de Almeida

ter jul 12 , 2022
Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho. “Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido. Em nosso oitavo episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com o militante comunista, Adelço de Almeida, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Química de São Paulo entre 1957 e 64. No trecho que ouviremos, Adelço fala sobre a greve na grande fábrica Nitro Química em 1957 que durante uma semana transformou o bairro de São Miguel Paulista em um verdadeiro campo de batalha. Adelço explica o processo de mobilização dos trabalhadores, em sua maioria migrantes nordestinos, as negociações com os dirigentes da empresa e com as autoridades públicas, e analisa como, mesmo com a intensa repressão, a greve representou uma grande vitória para o movimento sindical naquela conjuntura. Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto Referência da entrevista: Entrevista Adelço de Almeida. 1994. Entrevistadores: Hélio da Costa e Paulo Fontes. Centro de Documentação e Imagem (CEDIM) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Biblioteca Municipal Raimundo de Menezes da cidade de São Miguel.
%d blogueiros gostam disto: