LMT#113: Cais do Porto Salgado, Parnaíba, (PI) – Pedro Vagner Silva Oliveira


Pedro Vagner Silva Oliveira
Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense


O sol ainda nem apareceu no horizonte e já se via a labuta no antigo Porto Salgado, hoje Porto das Barcas. Como sugere o primeiro nome, o lugar ficou assim conhecido pelo comércio de carne salgada realizado no século XVIII. Em mais de duzentos anos, trabalhadores e trabalhadoras protagonizaram e deixaram marcas na memória local. Após longas viagens pelo rio Parnaíba, finalmente se aportava no cais do Porto Salgado. Estivadores carregavam mercadorias procedentes do sul do Piauí e de outras localidades. Caixas e caixotes tinham como primeiro destino o porto fluvial, levadas posteriormente a Tutóia (MA) ou Amarração (atual Luís Correia, PI). No próprio Porto Salgado as empresas responsáveis pelo transporte de mercadoria recrutavam os homens para a estiva.

Nas primeiras décadas do século XX Parnaíba foi o principal entreposto comercial do estado e, dado o movimento de embarcações a vela e vapor, eram necessários melhoramentos em seu porto fluvial, dentre eles, a construção do cais em 1912.  Sob o sol escaldante homens – muitos deles negros – descalços e descamisados embarcavam fardos e caixas com borracha de maniçoba, amêndoas de tucum e cera de carnaúba. No final da Segunda Guerra Mundial, o comércio fluvial parnaibano conheceria seu declínio.

O porto se transformava em grande teatro: em cada cena os estivadores exibiam valentia e vigor ao transportar sacas de até duzentos quilos. Vez ou outra, algum companheiro era zombado por carregar os fardos com a coluna arqueada. Ao cair da noite, os trabalhadores do rio divertiam-se na companhia dos colegas e de prostitutas no Tucuns e Coroa, bairros ribeirinhos. Não raro a festa se transformava em contenda. A faca marinheira ou “espim”, trazida sempre à cintura, era desembainhada; rapidamente a música dava lugar a gritos e tumulto.

Além dos produtos extrativistas exportados pelas casas Inglesa e Marc Jacob, outras “mercadorias” eram igualmente embarcadas. Gatos maracajás, filhotes de onças-pintadas, macacos, papagaios, araras e outras aves também eram “cargas” transportadas para fora do Piauí pelo porto, comércio hoje proibido pela legislação ambiental brasileira, embora infelizmente ainda praticado.

Nas imediações e não muito longe das casas comerciais, uma Parnaíba pobre lutava para sobreviver. Buscando algum dinheiro, meninos quando não tomavam banho no rio, iam ao cais a fim de fazer mandados em troca de moedas. As mulheres cozinhavam e vendiam comida aos embarcadiços



O Porto Salgado era um centro gravitacional que reunia uma miríade de trabalhadores e trabalhadoras. Quando chegavam à Parnaíba, era lá que os retirantes fugindo das secas que acometiam outros lugares do Piauí e do Ceará, procuravam emprego e o pão de cada dia.



Ao passo que as alvarengas eram “alimentadas” com as mercadorias, outros homens enchiam barris com as águas barrentas do rio. Ali mesmo os asnos, importantes companheiros de labuta dos aguadeiros, tomavam banho e saciavam a sede. Como a cidade não possuía sistema de encanamento até os anos 1960, por décadas os aguadeiros foram os responsáveis por abastecer boa parte das casas parnaibanas. Temendo doenças oriundas de tão suspeito líquido, os mais remediados possuíam poços em seus quintais.

Ainda no cais, era costumeiro ver a grande quantidade de lavadeiras “batendo” roupa. Sentadas e com a água pela cintura, lavavam as vestimentas da família ou de outras que pagassem pelo serviço. Quem por ali passava, de longe ouvia as melodias das fortes pancadas que o contato do tecido fazia ao encontrar as pedras. Após ensaboadas, as roupas eram postas para “quarar”, posteriormente enxaguadas e estendidas no chão. O vento e o sol faziam o resto do trabalho. A fim de abrandar o calor, vez ou outra alguma dessas trabalhadoras mergulhava no rio. 

Na outra margem do Igaraçu, famílias inteiras aguardavam o “passador”. A canoa era impulsionada pelo “varejão” ao tocar o leito do rio e deslizava pelas águas. Esses passageiros vinham dos povoados pesqueiros e agrícolas da Ilha Grande de Santa Isabel e região. Suas jornadas começavam já de madrugada, pois, enfrentavam caminhadas por horas no chão de areia. Peixes, cereais, feijão, ovos e frutas eram trazidos em cofos, jacás e outras cestas carregadas por burros ou pelas próprias pessoas. Homens botavam calões – espécie de haste de madeira – nos próprios ombros e traziam peixes, já as mulheres equilibravam em suas cabeças quilos de camarão ou murici. Os mercados eram o último destino da dura expedição.

Em virtude da precariedade da labuta, alguns trabalhadores do porto fundaram em 1920 a Sociedade União dos Estivadores. Com o passar dos anos, outras associações mutualistas desse mesmo grupo surgiriam, dentre elas, o Sindicato dos Operários Estivadores, e o Sindicato dos Trabalhadores dos Armazéns e Trapiches, ambos atuantes nos anos 1940. Décadas depois, com o golpe de 1964, os líderes do Sindicato dos Estivadores e do Sindicato de Marítimos de Parnaíba foram processados e perseguidos pelo regime militar.

O outrora movimentado cais, é hoje apenas sombra do que já foi um dia. Os armazéns coloniais do Porto das Barcas ainda existem, tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN em 2008 e recentemente revitalizados. Apesar disso, as memórias e experiências dos homens e mulheres que dia após dia pelejaram no cais do porto, construíram e alimentavam a cidade, são sobrepostas pelo turismo e propagandas do poder público.

Aspecto das obras do porto de Parnaíba. Fonte: Revista O Malho. Ano: 1913. 


Para saber mais:

  • GANDARA, Gercinair Silvério. Rio Parnaíba…cidades-beira. Tese (doutorado em História), Brasília: Universidade de Brasília, 2008.
  • LIMA, Raimundo de Souza. Vareiros do Rio Parnaíba & outras histórias. Parnaíba: Fundação Cultural do Piauí, 1987.
  • OLIVEIRA, Pedro Vagner Silva. Súditos da “Princesa do Igaraçu”: trabalhadores em Parnaíba-PI na década de 1970. Temporalidades, v. 9, 2017.
  • ROCHA, Cristiana Costa da. Os limites entre a exploração e a escravidão no ciclo da cera de carnaúba. Revista da Faculdade de Direito da UFMG, n. 77, 2020.  
  • SILVA, Alexandre Wellington dos Santos. A pobreza urbana em Parnaíba, Piauí (1890-1920). Dissertação (mestrado em História Social), Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2018.

Crédito da imagem de capa: Cais do Porto Salgado em  Parnaíba, 1937. Fonte: Revista Vida Doméstica. Ano: 1937. 


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trabalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

A seção Lugares de Memória dos Trabalhadores é coordenada por Paulo Fontes.

Paulo Fontes

2 thoughts on “LMT#113: Cais do Porto Salgado, Parnaíba, (PI) – Pedro Vagner Silva Oliveira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Vozes Comunistas #11: Jair Pinto de Brito

ter ago 23 , 2022
Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho. “Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido. Em nosso décimo primeiro episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com o dirigente sindical Jair Pinto de Brito. Jair foi importante liderança dos trabalhadores da indústria do petróleo da Bahia. No trecho que ouviremos, ele fala sobre sua participação na campanha do “Petróleo é Nosso” no Amazonas e de como, no início dos anos 60, o PCB o envia em uma “missão” para colaborar com a organização dos petroleiros e petroquímicos na Bahia. Fala ainda sobre a influência dos sindicalistas na direção da Petrobrás no período que antecedeu ao golpe de 1964. Essa voz comunista é apresentada pelo historiador Alex de Souza Ivo (IFBA). Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto Referência da entrevista: Entrevista Jair Pinto de Brito. 2006. Entrevistador: Alez de Souza Ivo. Arquivo pessoal de Alex de Souza Ivo.
%d blogueiros gostam disto: