Dia 14.10 (Quarta-feira)

17h30: Abertura

Auditório 12º andar FGV (Praia de Botafogo 190)

18h-21h: Mesa Redonda: Trabalhadores(as) e a historiografia das ditaduras

Auditório 12º andar FGV (Praia de Botafogo 190)

  • Omar Acha (Argentina) – Universidad de Buenos Aires
  • Larissa Rosa Corrêa (Brasil) – PUC-Rio
  • Angela Vergara (EUA/Chile) – California State University

Comentador: Rodrigo Pato Sá Motta (UFMG)

Dia 15.10 (Quinta-feira)

9h – 12h: Mesa Redonda: Resistências, consensos e colaborações: mundos do trabalho nas ditaduras

Auditório 12º andar FGV (Praia de Botafogo 190)

  • Rodolfo Porrini (Uruguai) – Universidad de La Republica
  • Carlos Gómez Floretín (EUA/Paraguai) – Stony Brook University
  • Leonilde Sérvolo Medeiros (Brasil) – CPDA/Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Peter Winn (EUA/Chile) – Tufts University

Comentadora: Elina Pessanha (UFRJ)

13h30- 15h30

Sessão Coordenada 1: Cultura e Trabalho – Sala 420

  • Oboré, quadrinhos e imprensa sindical brasileira (1978-1985)

Aline Martins dos Santos (SEEDUC e UFF)

  • Um operário na TV: a imagem do trabalhador na televisão da abertura política

Paulo Roberto de Azevedo Maia (UFPB)

  • São Bernardo 1978-1980: o ‘novo’ sindicalismo como acontecimento fotográfico

Pedro Henrique Santos Queiroz (Unicamp)

  • Trabalhadores sob as ditaduras do Cone Sul em narrativas fílmicas

Valéria Marques Lobo (UFJF)

Comentadora: Mônica Kornis (CPDOC/FGV)

Sessão Coordenada 2: Estado e Sindicalismo – Auditório 318

  • A crise econômica estrutural do nacional-desenvolvimentismo autoritário (1973-1985) e seus impactos sobre os trabalhadores

Carlos Eduardo Santos Pinho (DAPP/FGV)

  • O expurgo dentro do Ministério do Trabalho e a unificação da previdência social: a repressão a serviço do setor econômico

Heliene Chaves Nagasava (Arquivo Nacional)

  • Questão agrária e ditadura: a atuação do Instituto Brasileiro de Reforma Agrária nos Núcleos Coloniais da Baixada Fluminense

Fabrício Teló (CPDA/UFRRJ)

  • Estado e trabalho no Brasil: formas históricas de enfrentamento da ditadura militar no Brasil um estudo de caso

Ligia Garcia Diniz (Subsecretaria de Direitos Humanos MG)

  • El Estado, las regulaciones a los trabajadores y los sindicatos em Argentina: el caso de los docentes

Laura Graciela Rodríguez (Univ. La Plata/CONICET)

Comentador: Alexandre Fortes (UFRRJ)

16h- 18h

Sessão Coordenada 3: Justiça, Regulações e Trabalho – Auditório 318

  • A demanda trabalhista e os dissídios coletivos na cidade do Rio de Janeiro entre 1964 e 1968

Claudiane Torres da Silva (CPDOC/FGV)

  • Atuação pós-sindical na redemocratização: percepções do processo de anistia para operários

Fernanda Raquel Abreu Silva (UNIRIO)

  • Justiça de transição, sindicalistas e os(as) trabalhadores(as): a CONADEP (1983-1984) e a CNV (2012-2014)

Maxmiler Campos da Costa (UFRGS)

  • Transgêneros paulistanas: entre o trabalho e a Contravenção Penal de Vadiagem (1976-1977)

Rafael Freitas Ocanha (PUC-SP)

  • O cenário dual das relações de trabalho e a repressão à informalidade no período ditatorial

Rosângela Maria Pereira (IFRJ) e Maria Cristina Alves Delgado de Ávila (UBM)

Comentadora: Ângela Moreira (CPDOC/FGV)

Sessão Coordenada 4: Sindicalismo metalúrgico e ditadura – Sala 419

  • Greve fundiu a Fiat: o movimento dos metalúrgicos de Duque de Caxias (RJ) nas páginas do Jornal da Baixada

Adriana Maria Ribeiro (UFRRJ)

-“Pelo saneamento moral da entidade”: a ditadura militar e o Sindicato dos Metalúrgicos de Belo Horizonte/MG

Carolina Dellamore (UFMG)

  • O sindicalismo metalúrgico de Porto Alegre frente ao golpe civil-militar de 1964

Marcos André Jakoby (UFF)

  • A ação da P2 da Polícia Militar de São Paulo contra as greves do ABC (1979-1982)

Gabriel dos Santos Nascimento (Unifesp)

Comentador: José Ricardo Ramalho (UFRJ)

Sessão Coordenada 5: Trabalhadores urbanos e rurais – Sala 420

  • Ditadura e resistência estratégica: o papel dos marceneiros de São Paulo nas décadas de 1960 e 1980

Eduardo Magalhães Rodrigues (UFABC)

  • Marcos y estrategias para la democratización sindical en el cono sur: algunas redes transnacionales

Monica B. Gordillo (UNC-CONICET Córdoba)

-A escravidão da ditadura: a questão do trabalho forçado e escravo durante a ditadura cívico-militar brasileira

Norberto O. Ferreras (UFF)

  • Trabalhadores rurais em cena: conflitos e resistências no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Campos dos Goytacazes

Rayanne de Medeiros Gonçalves (CPDA/UFRRJ)

Comentador: José Sérgio Leite Lopes (CBAE-UFRJ)

Dia 16.10 (Sexta-feira)

9h-12h: Mesa Redonda – Empresas, empresários e os mundos do trabalho rural e urbano nas ditaduras

Auditório 12º andar FGV (Praia de Botafogo 190)

  • Victoria Basualdo (Argentina)- FLACSO/Conicet
  • Pedro Campos (Brasil) – UFRRJ
  • Cliff Welch (Brasil) – Unifesp

Comentador: Marco Aurélio Santana (UFRJ)

13h30 – 15h30

Sessão coordenada 6: Empresas, empresários e os mundos do trabalho – Sala 420

  • Operário Padrão: o modelo de trabalhador segundo os empresários industriais durante a ditadura militar brasileira

Daniela de Campos (IF-Farroupilha)

  • Trabalhadores e Doutrina de Segurança Nacional: o caso de Volta Redonda-RJ

Eduardo Ângelo da Silva (UFRRJ)

  • Notícias de uma disputa particular: o patronato rural expõe uma proposta de reforma agrária ante conflitos sem paz e o golpe de 1964

Elisandra de Araújo Galvão (CPDA/UFRRJ)

  • Os projetos de desenvolvimento do Estado militar e a repressão no campo no litoral sul fluminense

Iby Montenegro de Silva e Annagesse de Carvalho Feitosa (CPDA/UFRRJ)

Comentador: Renato Lemos (UFRJ)

Sessão Coordenada 7: Trabalhadores e resistências – Auditório 318

  • Consolidación de la dictadura de Stroessner: protagonismo del movimiento obrero (1955-1960)

Carlos Pérez Cáceres e Jorge Coronel Prosman (UNA)

-Sindicatos y sociedad política em el contexto del “onganiato”: el caso de la CGT de los argentinos

Valeria Caruso (UBA)

-Los mineros del cobre y el gobierno militar de Chile

Francisco Zapata Schaffeld (Colegio de Mexico)

  • Trabalhismo, repressão e resistência: os trabalhadores de Niterói no pré e pós-golpe de 1964

Luciana Pucu Wollmann do Amaral (CPDOC/FGV)

Comentadora: Dulce Pandolfi (CPDOC/FGV)

16h – 18h

Sessão Coordenada 8: Política, Ideologias e Trabalhadores – Sala 419

-Transformaciones del trabajo y la organización sindical a 42 años del golpe militar

Mauricio Muñoz, Katia Molina e Felipe Valenzuela (Fundación Sociedad y Trabajo)

-O golpe visto por baixo: guerrilhas rurais e cultura política no interior de São Paulo

Gabriel Pereira da Silva Teixeira (Unicamp)

  • Pecebistas e peronistas: mudanças nas tradições operárias em tempos das ditaduras no Cone Sul

Paula Andrea Lenguita (Ceil-CONICET)

  • Ideias, crítica e combate: o anarquismo na ditadura militar brasileira (1964-1985)

Rafael Viana da Silva (UFRRJ)

Comentador: Ricardo Antôno Souza Mendes (UERJ)

Sessão Coordenada 9: Trabalho e Memória – Sala 420

  • O sindicalismo de resistência e as escolas operárias na região industrial de Belo Horizonte

Carlos Roberto Horta (UFMG)

  • Nestor Vera: uma luta pelos camponeses (1949-1975)

Diego Becker da Silva (Unifesp)

  • Memória de uma trabalhadora da saúde na ditadura militar: impactos do autoritarismo no cotidiano

Luis Eduardo Franção Jardim (USP)

  • Investigação operária: o ‘trabalhador-pesquisador’ e a construção da memória política

Sebastião Neto e Carolina Freitas (IIEP)

Comentador: Diego Galeano (PUC-Rio)

Sessão Coordenada 10: Trabalhadores: entre a fábrica e o campo – Auditório 318

  • Trabalhadores rurais contra fábricas: luta por terra, repressão política e resistência

Marco Antonio Teixeira, Leonilde Sérvolo Medeiros e Aline Borghoff Maia (CPDA/UFRRJ)

  • O golpe civil-militar no Pará: prisões, torturas, mortes de trabalhadores urbanos e rurais

Edilza Joana Oliveira Fontes (UFPA)

  • A rearticulação das forças políticas frente ao golpe: o caso dos trabalhadores rurais e têxteis de Magé/RJ

Felipe Ribeiro (UFRRJ)

  • O termo presente “experiência”: trabalhadores no universo das usinas de açúcar na região do Vale do São Lourenço (MT)

Rodolfo Souza Costa (UFMT)

Comentador: Mário Grynszpan (UFF)