Chão de Escola #21: Rodrigo Patto (UFMG) fala sobre o golpe de 1964, ditadura militar e suas reflexões para professores da Educação Básica



Obrigado por aceitar o convite do CHÃO DE ESCOLA, para falar do seu novo livro “Passados presentes – o Golpe de 1964 e a ditadura militar” (2021). Gostaríamos de saber quando surgiu a ideia de escrever um livro voltado para o debate público sobre a ditadura militar?

A ideia surgiu durante a fase mais aguda da pandemia. O isolamento social significou o fim das frequentes viagens que eu fazia para o desempenho de atividades profissionais, gerando uma disponibilidade de tempo que resolvi aplicar na produção do livro. Mas a motivação principal foi mesmo contribuir para o debate público sobre a ditadura e enfrentar os discursos que defendem uma memória positiva sobre o período. Temos presenciado uma politização e manipulação ideologicamente orientada da história com objetivo de construir versões moldadas para justificar a ditadura, e que poderiam oferecer fundamento a novos projetos autoritários. Tais discursos negam o caráter golpista de 1964 e a construção de uma ditadura na sua sequência, além de minimizarem a violência e escamotearem outros aspectos da história que não interessam a seus projetos políticos, ao mesmo tempo em que demonizam os adversários de esquerda. Então, o propósito principal com o livro foi apontar os equívocos, a manipulação e o falseamento da história promovidos por esses defensores de 1964, mostrar porque foi um golpe e uma ditadura, e explicar por que ela não nos legou um país melhor, muito ao contrário. Mas o livro também representa um diálogo com a historiografia, pois alguns capítulos abordam temas quentes nas interpretações sobre a ditadura como as motivações dos golpistas, a máquina política daquele regime, as atitudes sociais frente à ditadura, a dinâmica da distensão e da abertura e o papel das forças de resistência no processo de democratização.

Você tem pesquisas concentradas na história do século XX e alguns livros paradidáticos sobre temas da história política. Como esse livro atual pode auxiliar o professor a refletir sobre a prática de ensino de História?

Um dos objetivos do livro é exatamente alcançar os professores de História do nosso sistema escolar. A expectativa é oferecer-lhes material útil à reflexão sobre a história recente do Brasil, mas também para a montagem de material didático. A situação que temos vivido nos últimos anos é muito preocupante, pois grupos da direita mais autoritária têm se esforçado para divulgar discursos conservadores sobre a História, especialmente sobre o período da ditadura, com vistas a formar a opinião política dos brasileiros. Essa ofensiva passa pela produção de mensagens de fácil divulgação, principalmente vídeos distribuídos pelas redes sociais, mas também pelo ataque às universidades e ao sistema escolar, com o objetivo de retirar do cenário (ou da luta) os/as profissionais que representam empecilho a tais projetos autoritários. Então cabe a nós resistir, e a resistência implica evitar que eles destruam ou ocupem o sistema escolar e universitário, e impedir que dominem o debate público sobre a história da ditadura. Nesse livro, ofereço alguns argumentos e análises de que os professores podem se apropriar para debater com seus alunos e comunidades, ajudando-os a compreender por que a ditadura militar foi nefasta e não pode ser elogiada e muito menos ainda restabelecida.

Os trabalhadores foram especialmente afetados pela ditadura. Na sua visão, quais foram as principais transformações que ocorreram nos mundos do trabalho durante o regime militar?

Os trabalhadores rurais e urbanos foram profundamente afetados pela ditadura. De um lado, porque eram alvos das políticas de repressão e controle social, que tinham como objetivo impedir que a resistência proveniente desses setores desestabilizasse o Estado autoritário. Daí o expurgo dos líderes mais combativos e alinhados à esquerda, que foram presos, tiveram direitos políticos cassados e em alguns casos se exilaram ou passaram a viver na clandestinidade; a intervenção na direção dos sindicatos, para retirar do comando os líderes inclinados à resistência, ou impedir que fossem eleitos; e a constante vigilância nas fábricas (inclusive com auxílio das empresas) para anular novas lideranças que foram surgindo ao longo da ditadura. As políticas estatais de arrocho salarial e de cancelamento de direitos (como o fim da estabilidade no emprego) exerceram também importante impacto sobre a vida dos trabalhadores e suas famílias, lembrando que tais medidas correspondiam aos objetivos de atrair investimentos e aumentar os lucros das empresas. Com isso, a política econômica da ditadura gerou aumento da concentração de renda no Brasil, levando à ampliação da distância entre ricos e pobres. Mas há outro aspecto importante a considerar quando pensamos nos impactos da ditadura sobre o mundo do trabalho. Uma das principais estratégias dos líderes da ditadura para manter-se no comando, e para aumentar o poder da corporação militar, foi buscar a aceleração do crescimento econômico bruto e da industrialização. Disso não decorreu qualquer “milagre” econômico, até porque os custos sociais e políticos foram altos, mas alguns setores produtivos se expandiram e se modernizaram tecnologicamente (mas não socialmente), em especial a indústria. Uma modernização conservadora e autoritária, portanto. Essa política da ditadura, assim como outras, gerou resultados paradoxais, pois a razão de ser do regime autoritário era preservar a ordem social tradicional, porém, a urbanização e a industrialização aceleradas levaram à expansão da classe trabalhadora fabril, que se tornou uma das grandes protagonistas da luta contra a ditadura militar e pela democratização do país. Portanto, a expansão industrial promovida pela ditadura acabou contribuindo para sua crise, na medida em que o peso social e político do operariado foi sendo ampliado e surgiu uma forte liderança sindical que se tornou vanguarda e modelo para outros movimentos sociais democráticos.

No livro, você faz distinção entre comportamentos de adesão, resistência e acomodação na relação da sociedade com o regime militar. Como a relação dos trabalhadores com a ditadura pode ser compreendida através dessas noções?

R: Devo dizer, em primeiro lugar, que não fiz pesquisas especificamente voltadas para os trabalhadores, e sim para as atitudes de grupos de elite (as comunidades universitárias) diante da ditadura. De toda forma, acredito que essa tipologia pode ser aplicada também à classe trabalhadora. A mais evidente e significativa atitude dos trabalhadores foi a resistência, que já comentei na questão anterior. Os trabalhadores conduziram muitas ações de resistência, seja questionando as políticas que arrochavam salários ou cortavam direitos sociais, seja criticando as intervenções autoritárias no comando das entidades associativas. Mas as suas principais formas de luta foram as greves, que em contexto ditatorial eram em si atos de resistência. E os trabalhadores realizaram inúmeras greves, com destaque para os eventos de 1968 (em Contagem e Osasco), mas, principalmente, para o ciclo grevista iniciado pela greve dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo, em maio de 1978, que abriu caminho à eclosão de uma série de paralisações em diferentes setores da economia e do serviço público. Centenas de greves ocorreram nos anos seguintes, contribuindo para minar o poder da ditadura e abrir caminho à transição democrática. Mas a resistência não teve igual intensidade em todo o período, e nem todos resistiram, de outro modo, a ditadura não teria durado duas décadas. É desagradável constatar que o regime autoritário teve apoio, mas isso é necessário, inclusive para entendermos a situação política recente no Brasil, em que vivemos novamente um momento de ascensão de movimentos de direita (uma tendência que, felizmente, está sendo revertida). A adesão à ditadura foi um comportamento mais frequente em segmentos de elite, no empresariado, na mídia, no serviço público, nas classes médias, que foram os seus sustentáculos principais. Mas entre os trabalhadores também houve adesões, mesmo que tenham sido minoritárias no conjunto da classe. Por exemplo, aquelas lideranças que aceitaram o papel de interventores nos sindicatos anteriormente dirigidos por líderes de esquerda, comportaram-se como aderentes à ditadura, seja por convicção ideológica ou por oportunismo. Por outro lado, a atitude de certos líderes trabalhistas parece se aproximar mais da acomodação, ou seja, não aderiram, mas tampouco resistiram à ditadura, buscaram um caminho do meio, ambíguo e com menos riscos. Creio que essa foi a atitude de alguns líderes sindicais durante a ditadura, cuja ambiguidade evitou serem atingidos pela repressão na fase aguda do regime militar, e no processo de abertura e redemocratização permitiu que se reciclassem e adotassem posturas mais combativas e progressistas.
Sem dúvida, a questão da adesão e da acomodação de lideranças sindicais e de parte dos trabalhadores precisa ser ainda mais pesquisada. De qualquer forma, imagino que essas pesquisas irão revelar menor incidência desses comportamentos entre os trabalhadores. Essa conjectura é baseada nas pesquisas de opinião disponíveis (e citadas no livro), cujos dados mostram que o apoio ao golpe de 1964 foi menor entre os segmentos de baixa renda, assim como foi menor sua adesão a um dos valores predominantes entre os golpistas, o anticomunismo. Em suma, considerando os vinte anos de duração da ditadura, entre os trabalhadores foi mais frequente a indisposição e a resistência frente àquele regime político do que atitudes de simpatia e de adesão.


Rodrigo Patto Sá Motta é professor adjunto de História da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e autor dos livros livro Em Guarda contra o Perigo Vermelho: o anticomunismo no Brasil (2002), Jango e o Golpe de 1964 (2006), As Universidades e o regime militar (2014). Publicou os seguintes livros paradidáticos A Segunda Grande Guerra – do nazi-fascismo à Guerra Fria (1994) e Introdução à história dos partidos políticos brasileiros (1999).


Crédito da imagem de capa: Capa do livro Passados Presentes: o golpe de 1964 e a ditadura militar (2021). Disponível em: https://ftp.zahar.com.br/detalhe.php?codigo=4103101


Chão de Escola

Nos últimos anos, novos estudos acadêmicos têm ampliado significativamente o escopo e interesses da História Social do Trabalho. De um lado, temas clássicos desse campo de estudos como sindicatos, greves e a relação dos trabalhadores com a política e o Estado ganharam novos olhares e perspectivas. De outro, os novos estudos alargaram as temáticas, a cronologia e a geografia da história do trabalho, incorporando questões de gênero, raça, trabalho não remunerado, trabalhadores e trabalhadoras de diferentes categorias e até mesmo desempregados no centro da análise e discussão sobre a trajetória dos mundos do trabalho no Brasil.
Esses avanços de pesquisa, no entanto, raramente têm sido incorporados aos livros didáticos e à rotina das professoras e professores em sala de aula. A proposta da seção Chão de Escola é justamente aproximar as pesquisas acadêmicas do campo da história social do trabalho com as práticas e discussões do ensino de História. A cada nova edição, publicaremos uma proposta de atividade didática tendo como eixo norteador algum tema relacionado às novas pesquisas da História Social do Trabalho para ser desenvolvida com estudantes da educação básica. Junto a cada atividade, indicaremos textos, vídeos, imagens e links que aprofundem o tema e auxiliem ao docente a programar a sua aula. Além disso, a seção trará divulgação de artigos, entrevistas, teses e outros materiais que dialoguem com o ensino de história e mundos do trabalho.

A seção Chão de Escola é coordenada por Claudiane Torres da Silva, Luciana Pucu Wollmann do Amaral e Samuel Oliveira

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

LMT#106: Rua Visconde do Rio Branco 651, Niterói (RJ) - Luciana Pucu Wollmann e Lucas Corrêa

qui mar 31 , 2022
Luciana Pucu WollmannProfessora na rede pública de ensino de Niterói e do Rio de Janeiro e Doutora em História pela FGV Lucas CorrêaDoutorando em Ciência da Informação pela Universidade Federal Fluminense Eles eram poucos.E nem puderam cantar muito alto a Internacional.Naquela casa de Niterói em 1922.Mas cantaram e fundaram o […]
%d blogueiros gostam disto: