LMT #124: Estádio da Rua Javari, São Paulo (SP) – Bruno Caccavelli


Bruno Caccavelli
Mestre em História pela Unifesp e professor do ensino básico


A Rua Javari no bairro da Mooca da cidade de São Paulo, situa-se entre a Rua dos Trilhos, nome devido à estrada de ferro Santos-Jundiaí, e a Rua da Mooca, por muito tempo principal via do bairro. Foi na rua Javari que, em 1897, foi estabelecida a fábrica têxtil Regoli & Crespi (depois Cotonifício Crespi) que funcionou até 1963. Na mesma rua havia uma cocheira, além de casas de operários. É nessa mesma rua que se encontra o Estádio Conde Rodolfo Crespi, do Clube Atlético Juventus, popularmente conhecido como Estádio da Rua Javari.

A Mooca foi palco de diversas mobilizações sociais no início do século XX. Sua formação em fins do século XIX foi marcada pela grande concentração de fábricas e residências operárias. A maioria dos operários e operárias era composta de imigrantes italianos, mas também havia espanhóis, alemães, russos, poloneses, lituanos e húngaros, além de um significativo contingente de trabalhadores nacionais, em sua maioria negros. Assim era um espaço de grande multiplicidade cultural e identitária.

Os ofícios iam desde os mais especializados como ferreiros e carpinteiros até os trabalhadores em fábricas como Calçados Clark, Laticínios União, Cia. Antártica Paulista e Serraria Matarazzo. Contudo eram predominantes os estabelecimentos têxteis como a Penteado, a Labor e o Cotonifício Crespi.

Os trabalhadores criavam e encontravam muitas possibilidades de sociabilidade, organização e diversão como clubes recreativos, sociedades e uniões mutualistas, beneficentes, sindicais e políticas, bandas musicais, círculos e centros de estudos. Associações esportivas marcaram presença no bairro desde cedo. O Germânia, por exemplo, foi fundado em 1889 por uma elite econômica da comunidade alemã local. Os clubes formados por trabalhadores não demoraram a aparecer: Athlético Mooca, Mocidade da Mooca, Flor da Mooca, União Mooca, Regoli, Crespi & Cia (em 1909 se tornou Crespi FC) entre outros.

Aos domingos as várzeas do rio Tamanduateí e do Carmo eram espaços de recreação das famílias operárias e o futebol era uma das práticas mais populares. Essa diversão foi levada para as ruas e pátios de fábricas e com o tempo foi ganhando maior organização, dividindo-se times por seções ou adotando as regras inglesas. Era comum que trabalhadores recorressem à direção das fábricas para a compra de uniformes e outros custos. Os empresários por sua vez aproveitavam a publicidade dos jogos e passaram a incentivar o esporte como forma de ampliar o controle e as relações paternalistas, participando ou indicando funcionários de altos cargos para funções de destaque na diretoria do clube.

Os clubes de trabalhadores das empresas de propriedade da família Crespi – Extra São Paulo e Cavalheiro Crespi – se uniram em 1924, dando origem ao Cotonifício Rodolfo Crespi Futebol Clube (CRC FC). As cores eram preto, branco e vermelho e a sede social ficava na Rua dos Trilhos. Em 1930 o time passou a se chamar Clube Atlético Juventus em homenagem ao clube italiano de Turim. Inicialmente o uniforme teria as mesmas cores do time homônimo, mas por sugestão do próprio Crespi as cores passaram a ser grená e branco inspiradas no outro clube da cidade italiana, o Torino FC. O nome e o uniforme revelavam as conexões e os laços identitários italianos na fundação do clube.

Em 1930 o Juventus enfrentou o Corinthians no Parque São Jorge e surpreendeu ao vencer por 2 a 1 ganhando a alcunha de Moleque Travesso. Conforme o profissionalismo no futebol se intensificou, o clube se retirou das competições oficiais e passou a disputar o Campeonato Paulista Amador sob o nome de CA Fiorentino conquistando o título de campeão em 1934 batendo a Ponte Preta na rua Javari. Em 1935, o Juventus voltou ao Campeonato Profissional, renovando e profissionalizando a equipe.

O terreno onde funcionava a cocheira na Rua Javari foi doado para o CRC FC por Rodolfo Crespi e transformado em um campo de futebol em 1925. O espaço rapidamente passou a ser utilizado por diversos clubes da região e, principalmente, pelo Juventus. Em 1941, ganhou arquibancadas e foi reinaugurado com o nome de Estádio Conde Rodolfo Crespi, ganhando um aspecto mais parecido com o que é nos dias de hoje. Em agosto de 1959, diante de mais de dez mil espectadores, o jovem Pelé marcou aquele que muitos consideram ser o gol mais bonito de sua carreira e que lhe rendeu uma estátua no estádio juventino.


Durante a famosa Greve dos 300 Mil em 1953 o estádio se tornou um importante marco para as mobilizações dos trabalhadores. Os grevistas concentraram no local o comitê da greve. Também havia ali uma cozinha comunitária auxiliada por comerciantes e moradores.


A família Crespi se afastou nos anos 1950 deixando o clube em má situação financeira. O time contou com uma mobilização popular de moradores da Mooca para sobreviver e chegou a realizar turnês pelo exterior. Em 1967 o Juventus comprou o estádio dos Crespi, mas a posse definitiva veio apenas em 1976. No início dos anos 1980, o Juventus viveu ótima fase desportiva. Em 1983 venceu a então Taça de Prata, equivalente à segunda divisão do campeonato brasileiro.

Atualmente existem discussões sobre a arenização do estádio e sobre a criação do Juventus Sociedade Anônima de Futebol, o que tornaria o clube uma empresa. Em contrapartida parte da torcida busca afirmar uma tradição operária. É comum ver nos jogos da Javari, faixas e alusões à grande greve de 1917, ao mesmo tempo que os torcedores entoam gritos de “ódio eterno ao futebol moderno”, em uma referência não apenas ao fim dos passatempos amadores e aos problemas trazidos pela hipermercantilização, mas também aos ataques ao “espírito” comunitário representado pelo time e à “verdadeira” paixão pelo futebol.

Torcida do Juventus da Mooca no setor 2 do Estádio da Rua Javari. Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=UQmarBzvh8E


Para saber mais:

  • VAZ, Alexandre Fernandez. Juventus, da Mooca (e um pouco de Corinthians). Ludopédio, São Paulo, v. 152, n. 29, 2022.  https://ludopedio.org.br/arquibancada/juventus-da-mooca-e-um-pouco-de-corinthians/ Acesso em 12/06/2022.
  • HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de; FAVERO, Raphael Piva Favalli. Cronologia das torcidas organizadas (X): CAJU – Clube Atlético Juventus. Ludopédio, São Paulo, v. 107, n. 30, 2018. https://ludopedio.org.br/arquibancada/juventus/ Acesso em 12/06/2022.
  • LOPES FTP, HOLLANDA BBB de. “Ódio eterno ao futebol moderno”: poder, dominação e resistência nas arquibancadas dos estádios da cidade de São Paulo. Tempo [Internet]. 2018. Disponível em : https://doi.org/10.1590/TEM-1980-542X2018v240202
  • CACCAVELLI, Bruno. Lazer e sociabilidade de trabalhadores do bairro paulistano da Mooca, 1900-1920. Dissertação de Mestrado em História, EFLCH-Unifesp, 2015.
  • HOLLANDA, Bernardo Buarque de; FONTES, Paulo (orgs.). Futebol & mundos do trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2021.

Crédito da imagem de capa: Estádio da rua Javari,  década de 30. Disponível em: https://www.juventus.com.br/clube/historia/1924-a-1961/


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trabalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

A seção Lugares de Memória dos Trabalhadores é coordenada por Paulo Fontes.

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Vale a Dica #03: Pureza, de Renato Barbieri

qua jul 19 , 2023
Nesta terceira edição da série “Vale a Dica”, Isabelle Pires, doutoranda em história pela UFRJ e pesquisadora do LEHMT/UFRJ, indica o filme Pureza, de Renato Barbieri, protagonizado por Dira Paz. Lançado em 2022, o filme retrata a história real de Pureza Lopes Loyola, mãe solo, que desafiou fazendeiros e jagunços para resgatar seu filho da escravidão contemporânea na Amazônia. A partir da busca de Pureza pelo seu filho, nos deparamos com a exploração do trabalho sob a coerção de armas, castigos físicos, e péssimas condições de vida e trabalho. O aliciamento para o trabalho braçal, como ressalta Isabelle, era feito através do reforço a uma certa noção de masculinidade, pautada na força, na coragem e na virilidade. Nos últimos anos, os temas do trabalho forçado e do trabalho análogo à escravidão têm despertado cada vez mais o interesse de historiadores e historiadoras, ganhando espaço entre os temas de pesquisa da História Social do trabalho. Projeto e execução: Alexandra Veras, Isabelle Pires, Larissa Farias, Victória Cunha e Yasmin Getirana