Debate: Fontes e acervos para a história do trabalho na era digital – Deivison Amaral e Fabiane Popinigis.

Como o historiador e a historiadora do trabalho poderão, no futuro, estudar uma greve totalmente organizada por troca de mensagens por aplicativos? O suporte material das fontes a serem utilizadas não será mais uma ata de reunião sindical ou panfletos. Toda a informação sobre a organização de um evento como este estará criptografada e processada por algoritmos, se existir. Há questões epistemológicas e de prática de pesquisa que a virada digital impôs e precisam ser discutidas. Esse é um exemplo do debate que é proposto pela revista Mundos do Trabalho, que publicou, em seu volume 13 (2021), a seção de debates “Fontes e acervos para a história do trabalho na era digital”.

O artigo que dá nome a seção foi escrito pelo pesquisador LEHMT-UFRJ e professor da PUC-Rio, Deivison Amaral, e pela pesquisadora associada do LEHMT-UFRJ e professora da UFRRJ, Fabiane Popinigis. O texto aborda, de forma geral, as novas questões epistemológicas enfrentadas por historiadores e historiadas após a virada digital e, de forma específica, as implicações disso para o campo da história do trabalho.

Além disso, a seção Debates da revista Mundos do Trabalho traz dois artigos. O primeiro, escrito pelo pesquisador associado do LEHTM-UFRJ e professor da UFRRJ, Alexandre Fortes, analisa a formação de profissionais da história na era digital. O segundo, escrito por Lucas Poy (UBA/CONICET), aborda arquivos e bibliotecas do movimento operário a partir da trajetória da International Association of Labor History Institutions.

Clique aqui para acessar a seção Debates da revista Mundos do Trabalho volume 13.

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Vale Mais #18: Trabalhadores negros e a política social

qua mar 2 , 2022
Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho. O episódio #18 do Vale Mais é sobre as origens da política social brasileira e os trabalhadores negros. Neste décimo oitavo episódio do Vale Mais, conversamos com Gracyelle Costa, professora do Departamento de Política Social e Serviço Social Aplicado, na Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ela fez seu doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que se intitula "Raça e nação na origem da política social brasileira: união e resistência dos trabalhadores negros" com orientação de Carla Cristina Lima de Almeida. Seu trabalho foi contemplado com o Prêmio Capes de Teses – Edição 2021, promovido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).  Gracyelle tem como temas o trabalho, as políticas sociais e a raça. Nesse episódio conversamos sobre as intercessões do campo do serviço social com a história social do trabalho no que envolve os dilemas da formação da classe trabalhadora no Brasil. Aqui Gracyelle abordou as percepções sobre a Lei Eloy Chaves de 1923 e marcou a importância dos trabalhadores e trabalhadoras negras na formação da classe trabalhadora em um país marcado pela escravidão e silenciamento dessas pessoas. Produção: Felipe Ribeiro, Flávia Veras, João Christovão e Larissa Farias Roteiro: Felipe Ribeiro, Flávia Veras, João Christovão e Larissa Farias  Apresentação: Larissa Farias 
%d blogueiros gostam disto: