LMT#102: Vila da Palha, Rurópolis (PA)- Magno Michell Marçal Braga



Magno Michell Marçal Braga
Professor do Instituto Federal de Alagoas



“O povo brasileiro responde ao desafio da história ocupando o coração da Amazônia”. Com estas palavras, o então presidente da República, Emílio Garrastazu Médici inaugurou em 12 de fevereiro de 1974 a Rurópolis batizada com seu próprio nome, localizada no Pará. A Rurópolis Presidente Médici foi fundada no entroncamento da BR 163, Cuiabá – Santarém e BR 230, Transamazônica, as duas grandes rodovias previstas no Programa de Integração Nacional (PIN), uma das principais políticas do governo militar. O modelo de desenvolvimento pretendido pela ditadura para a região da Transamazônica previa a criação de Agrovilas, Agrópolis e Rurópolis. Essas últimas, seriam o ponto alto do modelo de urbanismo pretendido, com serviços bancários, escolas e hospitais. Apenas a Rurópolis Presidente Médici, no entanto, foi inaugurada em um evento que contou com a presença de várias autoridades e teve ampla cobertura da imprensa.

A Transamazônica representava muito mais do que um projeto de estrada. Sua construção buscava materializar um grande programa de colonização na Amazônia e transformação de um território. A rodovia era apresentada nas propagandas oficiais como símbolo do “progresso e da segurança nacional” e como um grande projeto nacionalista que resolveria os problemas sociais da região.

Neste projeto, a colonização daquela vasta região seria feita por trabalhadores/as migrantes nordestinos e sulistas, incentivados a trabalhar na expansão da fronteira agrícola. Estava implícita a concepção de que a presença do elemento branco e “evoluído” nortearia o progresso da região. Ainda hoje é comum ouvir histórias de favorecimento de sulistas em detrimento dos nordestinos no que diz respeito ao acesso de bons lotes e crédito para produção. Além disso, há um apagamento da presença indígena nos relatos oficiais, apesar da larga utilização do trabalho dos povos originários locais nas construções naquela região.  

Os primeiros colonos, que foram trazidos oficialmente pelo Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), obtiveram os lotes de terra mais próximos da rodovia. Já as famílias candidatas à colonos que chegaram atraídas pela propaganda, mas fora do programa oficial, acabavam se instalando nos lotes mais distantes ou se aglomeravam nas imediações de Rurópolis, à espera do tão sonhado pedaço de terra. O PIN também previa que parte dos trabalhadores migrantes mobilizados para a construção das rodovias pudessem fixar-se na região, transformando-os em colonos.

A cidade planejada Rurópolis Presidente Médici era destinada apenas aos prédios de instituições públicas e dos prestadores de serviços, além das moradias dos funcionários dessas instituições Era proibida a construção de novas casas sem autorização das autoridades governamentais. As numerosas famílias do Nordeste e do Sul que chegavam eram obrigadas a improvisar habitações nas margens da rodovia e da cidade planejada.


O principal local dessas moradias precárias ficou conhecido como Vila da Palha. As moradias da vila eram construídas com madeira das sobras da cidade planejada, sacos de cimento utilizado na obra e palha da floresta.


As mulheres e as crianças costumavam ficar na Vila da Palha, onde, além de se sentirem mais seguras, eventualmente era possível ganhar algum dinheiro prestando serviços para os moradores da cidade planejada. Os homens adentravam a mata para abrir as picadas que permitissem chegar aos lotes. Muitas vezes este trabalho ocorria de maneira coletiva, com as diferentes famílias ajudando-se mutuamente para abrir picadas, construir pontes, derrubar a mata e construir casas nos lotes.

Às vésperas da inauguração oficial da Rurópolis Presidente Médici as autoridades locais decidiram que aquela ocupação não planejada poderia manchar a imagem do projeto e decidiram que todas as famílias deveriam ser retiradas. Dias antes da solenidade de inauguração um funcionário do INCRA conhecido como Carlão comandou a desocupação violenta da área. Segundo seu Eucídio, antigo morador da região, “tocaram fogo nas casas e o pessoal tudo correndo de dentro de casa. Esse Carlão mandou tocar fogo e trator empurrando com gente, aquela coisa assim… deu dó.” As pessoas e objetos foram colocados em caminhões. Algumas foram levadas para os lotes distantes, outras foram deixados na margem da Transamazônica a alguns quilômetros de distância da cidade planejada em uma área conhecida hoje como Petezinho. Na antiga área de Vila Palha foi semeado arroz e na ocasião do evento de inauguração já havia um exuberante gramado verde que nada lembrava a existência de uma “favela” nos limites da cidade planejada.

Embora nada tenha sido oficialmente registrado, ainda é forte na região a memória sobre o “Massacre da Vila da Palha”. O projeto que prometia a redenção e a integração nacional deixou de ser prioridade do Estado brasileiro nos anos subsequentes à inauguração e os discursos oficiais se esforçaram em produzir um apagamento dos conflitos, desencontros e resistências durante sua implementação. Em 1988, a Rurópolis Presidente Médici se emancipou politicamente e tornou-se município preservando apenas o nome de Rurópolis. A antiga área ocupada pela Vila da Palha é hoje conhecida como os bairros periféricos da Serraria e do Leitoso, residência dos trabalhadores e trabalhadoras da cidade.

Rurópolis Presidente Médici.
Fonte: Revista Manchete, 17/08/1974.



Para saber mais:

  • BRAGA, Magno Michell Marçal. Construtores do Brasil grande: trabalho e trabalhadores na rodovia Transamazônica (1970-1974). Tese de doutoramento apresentada ao programa de pós-graduação em História contemporânea da Universidade de Coimbra, 2021.
  • MULLER, Fabiano Hector. O Processo de Construção da Rodovia Transamazônica e a formação de Rurópolis (1965 – 1978). Monografia de Graduação apresentada para a obtenção do título de Licenciatura Plena em História da Faculdade de Itaituba, 2008.
  • ARAUJO, Gilvan Santo; SAMPAIO, Maria de Fátima. Construção socioespacial de Rurópolis-PA. Secretaria Municipal de educação de Rurópolis. 2007.

Crédito da imagem de capa:  Família de migrantes e sua habitação de palha. Arquivo pessoal Fátima Sampaio


MAPA INTERATIVO

Navegue pela geolocalização dos Lugares de Memória dos Trabalhadores e leia os outros artigos:


Lugares de Memória dos Trabalhadores

As marcas das experiências dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros estão espalhadas por inúmeros lugares da cidade e do campo. Muitos desses locais não mais existem, outros estão esquecidos, pouquíssimos são celebrados. Na batalha de memórias, os mundos do trabalho e seus lugares também são negligenciados. Nossa série Lugares de Memória dos Trabalhadores procura justamente dar visibilidade para essa “geografia social do trabalho” procurando estimular uma reflexão sobre os espaços onde vivemos e como sua história e memória são tratadas. Semanalmente, um pequeno artigo com imagens, escrito por um(a) especialista, fará uma “biografia” de espaços relevantes da história dos trabalhadores de todo o Brasil. Nossa perspectiva é ampla. São lugares de atuação política e social, de lazer, de protestos, de repressão, de rituais e de criação de sociabilidades. Estátuas, praças, ruas, cemitérios, locais de trabalho, agências estatais, sedes de organizações, entre muitos outros. Todos eles, espaços que rotineiramente ou em alguns poucos episódios marcaram a história dos trabalhadores no Brasil, em alguma região ou mesmo em uma pequena comunidade.

A seção Lugares de Memória dos Trabalhadores é coordenada por Paulo Fontes.

Paulo Fontes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Livros de Classe #10: Dialética da Colonização, de Alfredo Bosi, por João Christovão

ter nov 30 , 2021
Neste vídeo da série Livros de Classe, João Christovão, professor da Rede Municipal de Cabo Frio, apresenta a obra Dialética da Colonização, de Alfredo Bosi. Publicado em 1992, o livro é uma coletânea de textos do autor, nos quais analisa-se a formação política, social e cultural do Brasil e traz […]
%d blogueiros gostam disto: