Vale Mais #15 – Biografia e Militância Feminina



Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

O episódio #15 do Vale Mais é sobre Biografia e Militância Feminina.

Este é sétimo episódio da segunda temporada do podcast Vale Mais. Nesta temporada realizamos uma série de conversas com jovens doutores/as no campo da História Social do Trabalho. Eles/as explicam seus temas de pesquisa e processos de elaboração de suas teses. Neste episódio, conversamos com Roger Camacho, doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IFCH-UFRGS). Roger defendeu a tese “Entre lágrimas, sorrisos e muita luta: a inserção das mulheres nos espaços políticos do Brasil por meio das trajetórias de três militantes de esquerda – Lélia Abramo (1911 –2004), Luíza Erundina de Sousa (1934 –) e Irma Passoni (1943 -)”, sob orientação de Benito Bisso Schmidt. Em nossa conversa, Roger enfatiza a importância de evitar generalizações ao estudar os sujeitos históricos. Com um amplo escopo de fontes nosso convidado enfrentou os temas da memória e da escrita de si em um desafio que envolve diversos campos de estudos como gênero, trabalho, religiosidade e história política.

Dica da entrevistado: Revolução em Dagenham (filme)

Produção: Felipe Ribeiro, Flávia Veras, João Christovão e Larissa Farias
Roteiro: Felipe Ribeiro, Flávia Veras, João Christovão e Larissa Farias 
Apresentação: Larissa Farias 

Vale Mais #27: Trabalhadoras domésticas organizadas Vale Mais

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho. O episódio #27 do Vale Mais é sobre Trabalhadoras domésticas organizadas. Yasmin Getirana, nossa convidada nesse episódio, é graduada em Relações Internacionais, já dirigiu dois curtas-metragens e defendeu, em 2021, uma Dissertação de Mestrado sobre as lutas diárias e a capacidade de organização das trabalhadoras domésticas no Rio de Janeiro. Com o título "Sozinha não posso": A Associação Profissional de Empregadas Domésticas do Rio de Janeiro (1961-1973), Yasmin Getirana Gonçalves Vicente defendeu sua dissertação no Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ – PPGHIS-UFRJ, sob a orientação do professor Paulo Roberto Ribeiro Fontes. O recorte temporal da pesquisa tem como parâmetros o ano de criação da Associação no Rio de Janeiro e o ano de aprovação da Lei 5859, que é a primeira lei a estender direitos trabalhistas para a categoria das empregadas domésticas. O trabalho de Yasmin mostra que tanto os caminhos das lutas políticas da categoria, como as histórias de vida das mulheres por ela pesquisadas, não raro, acabam se misturando. E, se por um lado isso não é uma exclusividade dessa categoria de trabalhadoras, por outro fica evidente, ao longo do texto, a importância da luta pelo reconhecimento profissional e o respeito aos direitos de uma categoria que sempre carregou um estigma de não serem vistas como profissionais que são. Ao longo da conversa a nossa entrevistada deixa transparecer a força do trabalho que ela produziu. A entrevista é, assim como a dissertação, necessária. Apreciem. Produção: Alexandra Veras, Isabelle Pires, João Christovão e Larissa Farias Roteiro: Alexandra Veras, Isabelle Pires, João Christovão e Larissa Farias Apresentação: Larissa Farias 
  1. Vale Mais #27: Trabalhadoras domésticas organizadas
  2. Vale Mais #26: Mulheres bancárias
  3. Vozes Comunistas #17: Rolando Frati
  4. Vale Mais #25: Trabalhadores de aplicativo
  5. Vozes Comunistas #16: Manoel Ferreira de Lima

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

LMT#97: Fábrica e vila operária Rheingantz, Rio Grande (RS)- Caroline Matoso

qui out 7 , 2021
Caroline MatosoDoutoranda em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul A primeira empresa têxtil do  Rio Grande do Sul se estabeleceu no município de Rio Grande em 1873, sendo conhecida popularmente como Fábrica Rheingantz. A indústria atraiu migrantes de regiões rurais e de imigrantes europeus que viam nela […]
%d blogueiros gostam disto: