Catolicismo e trabalho: a cultura militante dos trabalhadores de Belo Horizonte (1909-1930) – Deivison Amaral

Houve um tempo em que a primeira imagem que vinha à cabeça quando se pensa no movimento operário na Primeira República (1889-1930) era a do operário anarquista, imigrante italiano, radical em suas ações e que objetivava a revolução social. Essa imagem não é universal. Os movimentos de matriz reformista e mais conservadores ganharam pouco espaço na historiografia e trabalhadores e trabalhadoras que aderiram às fileiras desse tipo de organização operária foram recorrentemente criticados por um suposto caráter desmobilizador de sua militância.  
A história das primeiras organizações de trabalhadores de Belo Horizonte, onde foi majoritária a presença do sindicalismo reformista católico, é um exemplo da diversidade da classe operária organizada nas primeiras décadas republicanas. Na cidade, a militância católica não teve caráter desmobilizador, ao contrário, foi incentivadora da organização de sindicatos profissionais. Essa história é contada no livro de Deivison Amaral, Catolicismo e trabalho:  a cultura militante dos trabalhadores de Belo Horizonte (1909-1930), coeditado pelas editoras Appris e Prismas. O livro analisa a cultura militante católica em Belo Horizonte, entre 1909 e 1941, investiga a dimensão associativa e a atuação de trabalhadores, organizações, sindicatos e militantes leigos. Ademais, relaciona aspectos da formação política e religiosa dos trabalhadores e militantes leigos com a dimensão transnacional de constituição do movimento operário cristão.   

Para adquirir a obra: http://tiny.cc/uud14y ou amaraldga@gmail.com

LEHMT

0 thoughts on “Catolicismo e trabalho: a cultura militante dos trabalhadores de Belo Horizonte (1909-1930) – Deivison Amaral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Artigo “El alma de la mujer brasileña explotó en vibrante protesta”. Condiciones de trabajo femenino y formas de resistencia en las fábricas textiles de Río de Janeiro en las primeras décadas del siglo XX - Felipe Ribeiro e Isabelle Pires

qui jun 6 , 2019
A experiência do trabalho impacta diferentemente homens e mulheres, e as relações que se estabeleciam nas fábricas de tecidos do início do século XX, bem como, as manifestações nas ruas promovidas pelos/as operários/as expressavam essas assimetrias. Assim, no artigo “’A alma da mulher brasileira explodiu em vibrante protesto’: condições de […]
%d blogueiros gostam disto: