1

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

“Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido.
Em nosso décimo quinto episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com a João Louzada. Louzada foi importante militante comunista nos tradicionais bairros operários da Mooca e Belenzinho em São Paulo entre os anos 1930 e 60. Foi operário têxtil e atuou na construção civil tornando-se dirigente do sindicato dos trabalhadores desse setor. Nos anos 1950 foi eleito vereador na cidade de São Paulo pela legenda do PSP, já que o PCB encontrava-se na ilegalidade. No trecho que ouviremos Louzada fala sobre a ação dos comunistas nos bairros paulistanos nos anos 1940 e 50, sobre o associativismo local e sobre a importância das festas e do futebol para a cultura e organização operária naquele período. Essa voz comunista é apresentada pelo historiador Adriano Duarte (UFSC).

Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes
Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto

O artigo “Estremeceram as montanhas do atlântico sul: mundos do trabalho no prisma transatlântico” (2022) foi publicado por Thompson Clímaco, mestrando em história social (UFRJ) e pesquisador do LEHMT-UFRJ no dossiê “Liberta tuas raízes, Brasil! reflexões decoloniais no ano do bicentenário da Independência do Brasil e centenário da Semana de […]

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

“Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido. Em nosso décimo quarto episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com José Muniz da Paixão. Muniz, como era conhecido, foi um importante articulador e organizador sindical do PCB em Niterói (RJ) entre as décadas de 1940 e 60. No trecho que ouviremos, ele conta detalhes sobre sua atuação política em diferentes sindicatos do município, como os dos trabalhadores da construção civil, da indústria da alimentação, dos rodoviários e dos marítimos. Fala ainda sobre os impactos do golpe de 1964 em sua vida e militância. Essa voz comunista é apresentada pela historiadora Luciana Pucu Wollmann.

Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes
Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto

Referência da entrevista: Entrevista José Muniz da Paixão. 27 de julho de 1994. Entrevistadora: Juliana Carneiro, Andreia Marzano e Carlos Eduardo de Oliveira. Laboratório de História Oral e Imagem da Universidade Federal Fluminense.

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

“Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido.  Em nosso décimo terceiro episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com a operária têxtil Inês Augusto. Inês iniciou sua militância cedo na União da Juventude Comunista e foi um quadro importante do PCB no movimento sindical e na Federação de Mulheres do Estado de São Paulo (FMESP). No trecho que ouviremos, ela fala sobre a Greve de 1953, a carestia do custo de vida e sua participação na Campanha pela Paz. Essa voz comunista é apresentada pela historiadora Ana Clara Tavares.

Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes
Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto

Karina Oliveira Morais dos Santos Apresentação da atividade Segmento: 2º ou 3º ano do Ensino Médio Unidade temática: Escravidão e liberdade no Brasil Imperial Objetivos gerais: – Compreender a agência dos africanos livres e escravizados que, enquanto sujeitos, incidem em suas próprias condições de vida, respondendo ao contexto em que […]

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

“Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido. Em nosso décimo segundo episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com o dirigente sindical Raphael Martinelli. Ferroviário paulista, Martinelli foi uma das principais lideranças dessa categoria nos anos 1950 e 60. Além de diretor da Federação Nacional dos Ferroviários, foi um dos líderes do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT). No trecho que ouviremos, Martinelli fala sobre a greve da paridade em 1960 que paralisou os trabalhadores de transporte em todo o país. Fala ainda da organização do PCB nas bases ferroviárias e do contexto que antecedeu o golpe de 1964. Essa voz comunista é apresentada pelo historiador Murilo Leal (Unifesp).

Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes
Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

 O episódio #24 do Vale Mais é sobre Precarização do trabalho e superexploração.

Neste episódio conversamos com Alexsandro Magalhães Pinto que é mestre pela Universidade Federal Fluminense tendo defendido a dissertação intitulada “Precarização e Informalidade no Setor Vestuário de Nova Friburgo/RJ – As Condições de Vida e Trabalho das Costureiras no Tempo Presente (2003-2016)”, sob orientação da professora Virgínia Fontes (UFF), e desde 2021 é doutorando pela mesma instituição.
Em seu trabalho de conclusão do curso de História também na UFF, Alexsandro abordou o processo de desindustrialização em Nova Friburgo focalizando os casos dos setores têxteis e de vestuário. Desenvolvendo seu interesse pelo tema, no mestrado, concentrou-se no trabalho das costureiras da cidade com ênfase em questões raciais entre 2003 e 2016. Ao recuar no tempo, o autor percebe que desde o pós-abolição, as mulheres negras já estavam presentes nas primeiras fábricas têxteis da cidade demonstrando que elas perpassaram o processo de industrialização e desindustrialização de Nova Friburgo.
Alexsandro nos conta que devido a uma demissão em massa de uma grande fábrica de vestuário da cidade na década de 1990, centenas de costureiras ficaram desempregadas. Diante de tal situação, elas se organizaram em cooperativas, compraram suas próprias máquinas e passaram a trabalhar em suas residências. Nesse contexto de desindustrialização, Nova Friburgo fica conhecida como um polo de produção de moda íntima, visto que essas pequenas cooperativas passaram a se dedicar a abastecer o mercado interno.
Impactado pela pandemia e a impossibilidade de pesquisar em arquivos e fazer entrevistas presenciais, o autor teve se adequar às restrições do período e optou por analisar fontes do IBGE, dados do DIEESE e utilizou entrevistas semiestruturadas por meio da plataforma Google Forms. Com as informações obtidas, Alexsandro Pinto considera que configurava-se no setor de vestuário de Nova Friburgo o que é possível chamar de superexploração do trabalho.