Vozes Comunistas #13: Inês Augusto



Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

“Vozes comunistas” é uma série especial do Vale Mais, podcast do LEHMT/UFRJ. Nessa série homenageamos o centenário do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e divulgamos áudios que permitem uma reflexão sobre as fortes e complexas relações entre o partido e os mundos do trabalho ao longo da história do país. A cada quinze dias, um trecho de uma entrevista de antigos sindicalistas, lideranças operárias e camponesas ou mesmo trabalhadores/as de base conta um pouco da história do PCB e sua importância para a história do trabalho no Brasil. Pesquisamos áudios em acervos públicos e particulares de todo o país, que serão apresentados por pesquisadores e historiadores especialistas na trajetória do partido.  Em nosso décimo terceiro episódio, apresentamos trechos de uma entrevista com a operária têxtil Inês Augusto. Inês iniciou sua militância cedo na União da Juventude Comunista e foi um quadro importante do PCB no movimento sindical e na Federação de Mulheres do Estado de São Paulo (FMESP). No trecho que ouviremos, ela fala sobre a Greve de 1953, a carestia do custo de vida e sua participação na Campanha pela Paz. Essa voz comunista é apresentada pela historiadora Ana Clara Tavares.

Projeto e execução: Ana Clara Tavares, Felipe Ribeiro, Larissa Farias e Paulo Fontes
Apoio: Centro de Documentação e Imagem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Agradecemos às instituições e pesquisadores que gentilmente colaboraram com nosso projeto

Referência da entrevista: Entrevista Inês Augusto. 31 de julho de 2002. Entrevistador: Murilo Leal. Centro de Memória Sindical.

Vale Mais #26: Mulheres bancárias Vale Mais

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.  O episódio #26 do Vale Mais é sobre Mulheres bancárias. Neste episódio conversamos com a historiadora Luciana Carlos Geroleti que recentemente defendeu sua tese de doutorado intitulada “Mulheres nos bancos: caminhos da profissionalização e lutas por direitos (1960-2000)”, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) sob a orientação da professora Dra. Janine Gomes da Silva. Luciana defendeu em 2019 a tese na qual analisa a profissionalização das mulheres nos bancos e as lutas que protagonizaram por seus direitos. A partir de fontes como jornais de circulação interna do Banco do Brasil, documentos e relatórios do Banco Bradesco, entrevistas de história oral com mulheres bancárias, documentação sindical, dentre outras, a autora nos apresenta reflexões em torno de como as mulheres ao longo do século XX foram construindo seus direitos, utilizando o gênero como categoria de análise. Funções genereficadas, lutas travadas nos locais de trabalho ou no sindicato, condições de trabalho de mulheres bancárias (incluindo as discussões sobre mulheres grávidas), padrões de beleza e comportamento estão entre as diversas questões desenvolvidas pela autora. Produção: Alexandra Veras e Yasmin Getirana Roteiro: Alexandra Veras, Larissa Farias e Yasmin Getirana Apresentação: Yasmin Getirana
  1. Vale Mais #26: Mulheres bancárias
  2. Vozes Comunistas #17: Rolando Frati
  3. Vale Mais #25: Trabalhadores de aplicativo
  4. Vozes Comunistas #16: Manoel Ferreira de Lima
  5. Vozes Comunistas #15: João Louzada

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

LMT #116: Largo da Banana, São Paulo (SP) - Marcos Virgílio da Silva

qui set 29 , 2022
Marcos Virgílio da Silva                 Doutor em História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo (FAU/USP) Fiquei sem o terreiro da escolaJá não posso mais sambar Sambista sem o largo da BananaA Barra Funda vai pararSurgiu um viaduto, é progresso,Eu não posso protestarAdeus, berço do samba,Eu vou-me embora,Vou sambar noutro lugar. […]
%d blogueiros gostam disto: