Vale Mais Especial: Entrevista com Elvira Boni – por Ângela de Castro Gomes e Eduardo Stotz

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho.

O episódio #Especial do Vale Mais é uma entrevista com Elvira Boni, realizada por Ângela de Castro Gomes e Eduardo Stotz

Para celebrar o Primeiro de Maio, o Vale Mais reproduziu um trecho da entrevista concedida por Dona Elvira Boni em 1983 para Ângela de Castro Gomes e Eduardo Stotz. O Primeiro de Maio de Dona Elvira é repleto de lutas e cantorias e narra as manifestações desse dia, em 1919, no Rio de Janeiro, realizado numa efervescente conjuntura política e de ascensão das lutas operárias. Elvira Boni narrou o clima festivo e de entusiasmo daquele evento, quando milhares de trabalhadoras e trabalhadores tomaram as ruas do Rio cantando suas palavras de ordem e seus hinos. 
Viva o Primeiro de Maio!

Participação: Ângela de Castro Gomes
Produção: Deivison Amaral, Heliene Nagasava e Larissa Farias
Roteiro: Ângela de Castro Gomes, Deivison Amaral, Larissa Farias e Paulo Fontes.
Apresentação: Larissa Farias 

Referência da entrevista: Entrevista Elvira Boni Lacerda. 5º Entrevista: 02.10.1983. Fita 7-A. Acervo CPDOC/FGV.

Livro: Velhos Militantes: Depoimentos. Ângela de Castro Gomes (coordenadora). Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1988.

Vale Mais #27: Trabalhadoras domésticas organizadas Vale Mais

Vale Mais é o podcast do Laboratório de Estudos de História dos Mundos do Trabalho da UFRJ, que tem como objetivo discutir história, trabalho e sociedade, refletindo sobre temas contemporâneos a partir da história social do trabalho. O episódio #27 do Vale Mais é sobre Trabalhadoras domésticas organizadas. Yasmin Getirana, nossa convidada nesse episódio, é graduada em Relações Internacionais, já dirigiu dois curtas-metragens e defendeu, em 2021, uma Dissertação de Mestrado sobre as lutas diárias e a capacidade de organização das trabalhadoras domésticas no Rio de Janeiro. Com o título "Sozinha não posso": A Associação Profissional de Empregadas Domésticas do Rio de Janeiro (1961-1973), Yasmin Getirana Gonçalves Vicente defendeu sua dissertação no Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ – PPGHIS-UFRJ, sob a orientação do professor Paulo Roberto Ribeiro Fontes. O recorte temporal da pesquisa tem como parâmetros o ano de criação da Associação no Rio de Janeiro e o ano de aprovação da Lei 5859, que é a primeira lei a estender direitos trabalhistas para a categoria das empregadas domésticas. O trabalho de Yasmin mostra que tanto os caminhos das lutas políticas da categoria, como as histórias de vida das mulheres por ela pesquisadas, não raro, acabam se misturando. E, se por um lado isso não é uma exclusividade dessa categoria de trabalhadoras, por outro fica evidente, ao longo do texto, a importância da luta pelo reconhecimento profissional e o respeito aos direitos de uma categoria que sempre carregou um estigma de não serem vistas como profissionais que são. Ao longo da conversa a nossa entrevistada deixa transparecer a força do trabalho que ela produziu. A entrevista é, assim como a dissertação, necessária. Apreciem. Produção: Alexandra Veras, Isabelle Pires, João Christovão e Larissa Farias Roteiro: Alexandra Veras, Isabelle Pires, João Christovão e Larissa Farias Apresentação: Larissa Farias 
  1. Vale Mais #27: Trabalhadoras domésticas organizadas
  2. Vale Mais #26: Mulheres bancárias
  3. Vozes Comunistas #17: Rolando Frati
  4. Vale Mais #25: Trabalhadores de aplicativo
  5. Vozes Comunistas #16: Manoel Ferreira de Lima

LEHMT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

LMT #76: Usina Wigg, Miguel Burnier, Ouro Preto (MG) – Luana Campos Akinruli

qui maio 6 , 2021
Luana Campos Akinruli Doutora em Antropologia pela Universidade Federal de Minas Gerais A importante presença dos trabalhadores na história de Miguel Burnier, distrito de Ouro Preto, Minas Gerais, quase nunca é evidenciada e divulgada. Dispersos na paisagem local existem sítios de vilas operárias, de conjuntos ferroviários e um patrimônio arquitetônico […]
%d blogueiros gostam disto: